Detido capitão do petroleiro que fez derrame na Maurícia

No final de Julho, o MV Wakashio chocou com um recife de coral no país da costa sudeste africana, vertendo toneladas de petróleo e destruindo ecossistemas únicos.

Fotogaleria
Reuters
Muitos mauricianos juntaram-se para ajudar nos esforços de limpeza do petróleo
Fotogaleria
Muitos mauricianos juntaram-se para ajudar nos esforços de limpeza do petróleo LAURA MOROSOLI/EPA
O navio que encalhou num recife partiu-se em dois no sábado, tal como se previa há dias
Fotogaleria
O navio que encalhou num recife partiu-se em dois no sábado, tal como se previa há dias Reuters
Equipa de resgate do petróleo a trabalhar no convés do MV Wakashio
Fotogaleria
Equipa de resgate do petróleo a trabalhar no convés do MV Wakashio EPA
Fotogaleria
LAURA MOROSOLI/EPA
Fotogaleria
LAURA MOROSOLI/EPA
Fotogaleria
MAXAR TECHNOLOGIES/Reuters
Os danos provocados pelo banco do coral no casco do navio que acabaram por levar a que se partisse em dois
Fotogaleria
Os danos provocados pelo banco do coral no casco do navio que acabaram por levar a que se partisse em dois EPA
Fotogaleria
Reuters
Os mangais cobertos de crude na costa de Rivière des Creoles, ao largo da qual o navio encalhou
Fotogaleria
Os mangais cobertos de crude na costa de Rivière des Creoles, ao largo da qual o navio encalhou Reuters
Barreiras flutuantes criadas pela comunidade local para tentar travar o crude
Fotogaleria
Barreiras flutuantes criadas pela comunidade local para tentar travar o crude LAURA MOROSOLI/EPA
Fotogaleria
Reuters
Fotogaleria
Reuters
Fotogaleria
Reuters
Uma enguia morta pelo petróleo derramado pelo navio
Fotogaleria
Uma enguia morta pelo petróleo derramado pelo navio Reuters

As autoridades da Maurícia detiveram esta terça-feira o capitão do navio petroleiro japonês responsável pelo derrame num recife de coral, Pointe d'Esny, um dos ecossistemas marítimos com maior biodiversidade do mundo.

O capitão do navio, Sunil Kumar Nandeshwar, um cidadão indiano de 58 anos, vai ficar sob a custódia da polícia até 25 de Agosto, data em que deve regressar a tribunal. Foi acusado de pôr em perigo a navegação, disse a polícia local, citada pela BBC. 

À agência Reuters, o inspector responsável pela investigação, Siva Coothen, contou que além do capitão, foi detido outro membro da tripulação. Segundo o inspector, “depois de serem ouvidos pelo tribunal, foi negado o pagamento de fiança e permanecem detidos”.

O MV Wakashio embateu num recife de coral no dia 25 de Julho, partindo-se em duas partes. A bordo encontravam-se quatro mil toneladas de fuelóleo (um produto líquido do petróleo queimado em uma fornalha ou caldeira para geração de calor ou usado como um agente para a geração de energia), que começaram a verter para o mar a partir de 6 de Agosto, provocando uma catástrofe ambiental. Até agora, foram derramadas para o oceano Índico cerca de mil toneladas.

O recife impactado é um ecossistema importante, onde espécies marinhas raras prosperavam. Há também uma reserva marítima natural perto, a Blue Bay Marine Park Reserve, que foi atingida. Enquanto as autoridades se demoravam, milhares de voluntários na Maurícia ajudaram na limpeza das praias, usando sacos com palha para absorver o óleo e enchendo baldes com pás.

Na segunda-feira, 416 metros cúbicos de barreiras criadas por voluntários estavam completamente saturados de fuelóleo.

Ainda está a ser investigado porque é que o MV Wakashio se partiu ao meio. As autoridades da Maurícia contaram que membros da tripulação confessaram que havia uma festa de anos no navio, no momento em que o navio embateu.

Outra teoria que está a ser investigada, conta a BBC, é que o navio se aproximou demasiado da costa à procura de sinal de wi-fi.

O MV Wakashio partiu-se em dois e a frente já foi rebocada. No entanto, mares complicados têm impedido as autoridades de continuar a limpar o óleo da traseira, presa no recife com 90 toneladas de petróleo.

O Governo da Maurícia já fez saber que o país procurará uma indemnização pela destruição dos ecossistemas e das praias deste país de ilhas na costa sudeste africana. O primeiro-ministro, Pravind Jugnauth, declarou estado de emergência, pediu apoio internacional e o ministério dos Negócios Estrangeiros do Japão respondeu enviado especialistas para apoiarem os trabalhos de limpeza.