Covid-19: Trump está “totalmente errado” sobre surto na Nova Zelândia, diz Jacinda Ardern

Jacinda Ardern reiterou que os poucos casos diários de SARS-CoV-2 na Nova Zelândia “não se comparam com as dezenas de milhares nos Estados Unidos”.

coronavirus,donald-trump,estados-unidos,eua,mundo,nova-zelandia,
Foto
“Continuamos a ser um dos países com melhor no que diz respeito à covid-19", garante Jacinda Ardern Reuters/Loren Elliott

A primeira-ministra neozelandesa, Jacinda Ardern, respondeu a Donald Trump afirmando que este está “totalmente errado” sobre o surto de covid-19 no país, depois de o Presidente norte-americano ter afirmado que a situação na Nova Zelândia é “terrível”.

“Estão a ver o que está a acontecer na Nova Zelândia? Dizem que venceram [a covid-19], foi primeira página nos jornais porque eles queriam mostrar-me alguma coisa. O problema é que agora há um grande surto na Nova Zelândia. É terrível, nós não o queremos”, afirmou Donald Trump numa acção de campanha em Mankato, no Minnesota, na segunda-feira.

Depois de 102 dias sem novos casos de transmissão local de SARS-CoV-2, Auckland, maior cidade da Nova Zelândia, registou quatro novos casos de covid-19 e as autoridades de saúde ainda não conseguiram descobrir a origem do surto. No entanto, o Governo neozelandês garante que o surto está controlado e, desde que este foi detectado, aumentou substancialmente o número de testes e impôs mais medidas de confinamento. 

No mesmo dia em que Trump falava numa situação “terrível” na Nova Zelândia, o país registava 13 novos casos de SARS-CoV-2, depois de na segunda-feira ter registado mais nove.

“Penso que qualquer pessoa que esteja a acompanhar a covid-19 e a sua transmissão a nível global verá muito facilmente que os novos casos num dia na Nova Zelândia não se comparam com as dezenas de milhares nos Estados Unidos, nem com os números da maioria dos países”, respondeu Jacinda Ardern, afirmando que que o Presidente norte-americano está “totalmente errado”.

“Continuamos a ser um dos países com melhor prestação no mundo no que diz respeito à covid-19, e os nossos trabalhadores estão focados em que continuar dessa forma”, garantiu.

Segundo os números da Reuters, a taxa de letalidade por cada 100 mil pessoas, na Nova Zelândia, é de 0,44, uma das mais baixas no mundo, enquanto a dos EUA é de 5,21, uma das mais elevadas.

Desde o início da pandemia, de acordo com os dados da Universidade Johns Hopkins, os Estados Unidos têm mais de 5,4 milhões de infecções por SARS-CoV-2 e mais de 170 mil mortes causadas pela covid-19, enquanto a Nova Zelândia regista 1643 infectados e 22 mortes.

Depois da postas em prática rígidas medidas de confinamento que lhe valeram elogios internacionais, a primeira-ministra neozelandesa declarou que a transmissão local do vírus tinha sido eliminada.

Contudo, 102 dias depois, a cidade de Auckaland registou um pequeno surto, detectado após um homem de 50 anos, que trabalha num sucursal de uma multinacional de distribuição de produtos congelados, ter apresentado sintomas e ter tido um teste positivo ao SARS-CoV-2. 

A origem do surto ainda não foi detectada e está a gerar alguma perplexidade, uma vez que a fronteira internacional da Nova Zelândia esteve fechada desde Março e os neozelandeses que regressaram ao país tiveram de fazer uma quarentena obrigatória de 14 dias. 

As autoridades impuseram o nível 3 de alerta, o segundo mais elevado numa escala de 4, e as eleições que estavam marcadas para 19 de Setembro foram adiadas para 17 de Outubro, por precaução.

Sugerir correcção