Primeira-ministra da Nova Zelândia adia eleições por causa do novo surto de covid-19

Como é que o vírus entrou num país fechado há meses? Há 78 casos activos no país, 58 dos quais ligados a uma família de Auckland. Partidos da oposição dizem que foram quebradas regras numa das instalações de quarentena da Nova Zelândia.

covid19,coronavirus,saude,mundo,nova-zelandia,oceania,
Foto
Os trabalhistas de Jacinda Andern continuam em vantagem nas sondagens Reuters/Loren Elliott

A primeira-ministra da Nova Zelândia adiou as eleições por um mês, para 17 de Outubro, porque a cidade de Auckland continua em confinamento, devido a um novo surto de covid-19 cuja origem permanece um mistério.

Os partidos queixaram-se que seria impossível fazer campanha nestas condições, com cerca de um terço dos cinco milhões de habitantes da Nova Zelândia em confinamento, e Jacinda Ardern acabou por adiar a votação. “Esperamos que a 17 de Outubro tenha passado tempo suficiente para que os partidos tenham feito planos para fazer campanha nestas circunstâncias”, disse a governante.

O Partido Trabalhista de Andern mantém uma vantagem sólida nas sondagens sobre o Partido Nacional, conservador.

As eleições deveriam acontecer a 19 de Setembro e, de acordo com a lei neozelandesa, a votação tem de se realizar até 21 de Novembro.

A oposição acusa Andern de estar a utilizar a pandemia para obter vantagens eleitorais, uma vez que aparece todos os dias na televisão para tranquilizar os cidadãos, enquanto os outros líderes partidários mal conseguem garantir alguma atenção dos media.

PÚBLICO -
Foto
Jacinda Ardern anuncia novas medidas de restrição REUTERS

Por isso estão a atacá-la e à sua administração por causa do reaparecimento do novo coronavírus na Nova Zelândia, que esteve 102 dias sem transmissão comunitária, beneficiando do seu isolamento no Pacífico. Além disso, a primeira-ministra ordenou rapidamente o encerramento da fronteira internacional e impôs algumas das medidas mais rígidas do mundo para travar a covid-19. O resultado permitiu eliminar a transmissão do vírus no país e valeu-lhe rasgados elogios.

Mas agora, com um novo surto em mãos, as análises aos genomas dos novos casos de covid-19 detectados na comunidade confirmaram que se trata de uma nova mutação do SARS-CoV-2, provavelmente com origem na Austrália ou no Reino Unido.

Com o tempo a contar para controlar o novo surto, as autoridades estão a tentar perceber como é que o vírus entrou num país que está de “portas fechadas” há meses, mas já se sabe alguma coisa sobre o “surto de Agosto de Auckland”.

Quando e como foi descoberto?

O primeiro caso que as autoridades identificaram até agora é um homem de 50 anos que trabalha numa sucursal da multinacional de distribuição de produtos congelados Americold Realty Trust em Auckland. O homem começou a manifestar sintomas a 31 de Julho e alguns dias depois fez o teste de despistagem da covid-19. Este caso, juntamente com o de três outros seus familiares directos, que entretanto ficaram infectados, foi divulgado por Ardern, numa entrevista que deu a 11 de Agosto.

As autoridades revelaram que estas pessoas viajaram para outras cidades, incluindo Rotorua e Hamilton, e visitaram um centro de cuidados para idosos enquanto estavam sintomáticos.

Existem agora 78 casos activos no país, 58 dos quais ligados à família de Auckland, e há infecções em locais de trabalho, escolas, residências e locais públicos. Os outros vinte casos foram registados em pessoas que estão alojadas em instalações de quarentena obrigatórias para quem chega à Nova Zelândia.

Como é que a covid-19 voltou ao país?

Esta é a principal questão a que as autoridades ainda não sabem responder, já que que a fronteira internacional da Nova Zelândia esteve fechada desde Março e todos os neozelandeses que regressaram ao país tiveram de fazer uma quarentena obrigatória de 14 dias.

As autoridades afirmam que o rastreamento de contactos e os testes genómicos ainda não encontraram ligações entre este novo surto e os pontos de entrada na fronteira do país ou as instalações de quarentena. O sequenciamento do genoma também desacreditou a teoria de alguns especialistas de saúde que acreditavam que o vírus poderia ter-se movido silenciosamente pela comunidade desde o surto original.

O Governo sugeriu que o vírus pode ter entrado no país em carga, com foco na instalação da Americold em Auckland, onde vários casos foram registados — todas as superfícies das instalações estão a ser testadas para encontrar vestígios do novo coronavírus. As autoridades australianas também estão a fazer testes em trabalhadores de uma instalação da Americool em Melbourne, na Austrália, à procura de uma ligação. 

O director-geral da Saúde da Nova Zelândia, Ashley Bloomfield, disse que a transmissão de pessoa para pessoa é “a grande culpada”, uma vez que a transmissão através de superfícies é “improvável”.

Os partidos da oposição e alguns críticos do Governo dizem que foram quebradas regras numa das instalações de quarentena da Nova Zelândia e apontam este local como o canal provável para o vírus estar agora na comunidade. Também os meios de comunicação locais falam em vários casos de erros de segurança nas instalações, mas o Governo disse que não há provas que apoiem essa teoria, embora se continuem a fazer testes.

O que está a ser feito?

Auckland entrou, na passada quarta-feira, no Nível 3 das medidas de confinamento, o que significa que a população deverá ficar em casa e os bares e outros negócios terão de fechar portas durante as próximas duas semanas. O Governo de Ardern também adiou as eleições gerais por quatro semanas.

Na comunidade, os testes à covid-19 aumentaram “para níveis recorde” e os cidadãos foram fortemente aconselhados a usar máscaras em público. Os testes nos aeroportos e nos portos marítimos aumentaram e a equipa responsável pelas instalações de quarentena obrigatória está a ser testada com mais frequência. Também a tecnologia de rastreamento de contactos foi aprimorada através de uma aplicação do Governo.

Sugerir correcção