Shakhtar de Luís Castro não teme Inter Milão

Campeão ucraniano goleou nos “quartos” e desafia hoje o recordista de presenças em meias-finais — e três vezes vencedor da prova.

inter-milao,shakhtar-donetsk,desporto,liga-europa,futebol-internacional,
Foto
LUSA/Lars Baron / POOL

O Inter de Milão, de Antonio Conte, e o Shakhtar Donetsk, do português Luís Castro, definem esta noite, em Dusseldorf, na Alemanha (20h, SportTV), o nome do segundo finalista da Liga Europa.

Provenientes de uma casta superior, com estatuto de Liga dos Campeões — onde foram terceiros no grupo de Manchester City e Barcelona —, o campeão ucraniano e o “vice” italiano têm um único jogo para esgrimir argumentos e tentar ganhar posição para suceder ao Chelsea, vencedor em 2019. 

Luís Castro garante não ter recebido informação privilegiada de Paulo Fonseca, treinador da Roma e ex-técnico dos ucranianos. Sabe apenas que o Inter é “um adversário duro” e que os jogadores do Shakhtar não temem nada, nem ninguém. Nem mesmo Lukaku, melhor marcador dos milaneses, com quatro golos, tantos quantos o brasileiro Júnior Moraes, dos “mineiros”... numa lista liderada por Bruno Fernandes, do Manchester United.

Conte sublinha o respeito por “um adversário forte”, que o Inter até já bateu na Champions, numa pré-eliminatória de 2005-06, ano em que o italiano se iniciou como técnico.

Vencedor da competição em 2009, frente ao Werder Bremen, o  Shakhtar tenta atingir a final pela terceira vez na história, depois de em 2016 ter sido eliminado nas meias-finais pelo “especialista” Sevilha, que arrecadaria o troféu pela quinta vez. Apesar de um currículo mais luxuriante, com três “canecos” da UEFA e ainda uma Champions (com Mourinho, em 2010), o Inter de Milão tem de recuar mais de 20 anos para recuperar o último êxito (ante a Lazio), o que lhe garante uma perspectiva de certa forma invejável, sendo o clube com mais presenças em meias-finais. Porém, das oito tentativas de chegar à final, só concretizou quatro.

Sugerir correcção