napoleao,historia,politica,porto,lisboa,europa,
Série 200 anos da Revolução Liberal (I)

Da partida da Corte para o Brasil às vésperas da Revolução

Em 1807, para salvaguardar a sua posição comercial no mundo, Portugal entra em choque com a França napoleónica e põe-se ao lado da Inglaterra. Perante o avanço das tropas francesas, o rei D. João VI tem poucas alternativas e foge para o Brasil. Seguiram-se anos de guerra ou de estado de guerra.

Durante os anos de 1807 e 1814 fizeram-se sentir intensamente os efeitos multifacetados da época aberta em 1789 com a Revolução em França. Na verdade, nesse país não ocorreu uma, mas sim uma pluralidade encadeada de revoluções e de contra-revoluções. Também o período napoleónico deve ser tomado como uma forma peculiar de restauração monárquica através de intensa atividade bélica. Em 1807, o Governo de Lisboa confrontava-se com o agravamento da muito frágil posição de Portugal na Europa. A França imperial era nesse momento o incontestado poder hegemónico do continente e Napoleão promovia a política do chamado “bloqueio continental”.