Comissão Europeia assegura compra de 300 milhões de doses de possível vacina

Vacina desenvolvida pela AstraZeneca e pela Universidade de Oxford está na terceira fase dos ensaios clínicos, com avanços positivos. Acordo anunciado esta sexta-feira prevê a compra de mais 100 milhões de doses se vacina for eficaz e segura.

Foto
A corrida à potencial vacina para a covid-19 continua, depois da Rússia anunciar a sua própria vacina LUSA/ANDREY RUDAKOV HANDOUT

A Comissão Europeia anunciou esta sexta-feira que chegou a um acordo com a farmacêutica AstraZeneca para a compra de, pelo menos, 300 milhões de doses de uma possível vacina para a covid-19. O acordo também prevê a aquisição de mais 100 milhões de doses caso a vacina seja segura e eficaz.

É o primeiro acordo avançado pela União Europeia para a compra de uma vacina para a covid-19, como salientou a comissária da Saúde europeia, Stella Kyriakides. É ainda o segundo acordo entre a AstraZeneca e uma instituição europeia – em Junho, a Aliança Inclusiva de Vacinas europeia, fundada por França, Alemanha, Itália e Países Baixos, assegurou a aquisição de uma vacina a ser distribuída pelos países membros.

Não foram ainda adiantados os termos ou os detalhes do novo negócio com a AstraZeneca, sabendo-se que o negócio será financiado pelo Instrumento de Apoio de Emergência da União Europeia.

Até agora, a farmacêutica britânica já tem acordadas receitas de três mil milhões de dólares (mais de 2,5 mil milhões de euros) em compras de doses de vacinas. Em Maio, os Estados Unidos já tinham pago à AstraZeneca mil milhões de dólares por 300 milhões de doses da possível vacina.

À agência Reuters, o CEO da AstraZeneca, Pascal Soriot, disse que a empresa espera “tornar a vacina disponível de forma rápida e abrangente” pela Europa, sendo que as primeiras doses “serão entregues até ao final de 2020”.

A vacina desenvolvida pela AstraZeneca, em conjunto com a Universidade de Oxford, está na terceira fase de ensaios clínicos. No final de Julho, os resultados preliminares foram publicados na revista The Lancet e davam conta que a vacina induzia uma resposta imunitária e tinha “efeitos secundários reduzidos”, que podem ser combatidos com paracetamol.

A Comissão Europeia volta assim à carga na compra antecipada de doses de vacina. No dia 31 de Julho, negociou a compra de outras 300 milhões de doses à farmacêutica Sanofi. Na quinta-feira, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, informou que estava a ser negociada a compra de 200 milhões de doses à Johnson & Johnson.

Em Junho, a Comissão Europeia anunciou um reforço de 300 milhões de euros para as operações da Aliança Global para as Vacinas GAVI entre 2021 e 2025.