Contra lixo e dejectos, Rota Vicentina apela à “conduta consciente” dos visitantes

Associação dedicada aos trilhos no Alentejo e Algarve refere uma “forte preocupação” local com a “crescente tendência do campismo e caravanismo selvagem” nas falésias e praias. “Passou a ser frequente encontrar lixo e dejectos humanos ao longo da costa.”

fugas,algarve,alentejo,turismo,ambiente,praias,
Fotogaleria
Pedro Cunha
fugas,algarve,alentejo,turismo,ambiente,praias,
Fotogaleria
Pedro Cunha
fugas,algarve,alentejo,turismo,ambiente,praias,
Fotogaleria
Pedro Cunha
fugas,algarve,alentejo,turismo,ambiente,praias,
Fotogaleria
Pedro Cunha
Fotogaleria
Pedro Cunha
Praia da Franquia
Fotogaleria
Pedro Cunha
Fotogaleria
Pedro Cunha
Fotogaleria
Pedro Cunha
Fotogaleria
Pedro Cunha

A Rota Vicentina “apela a uma conduta consciente por parte de todos os visitantes, com destaque para a prática do campismo e caravanismo, que deve acontecer exclusivamente nos parques de campismo da região”, lê-se em comunicado da associação que cuida e promove centenas de quilómetros de trilhos no Alentejo e Algarve. 

Destacando que é com “profunda satisfação” que “testemunha tão grande interesse e adesão aos trilhos pedestres e cicláveis” do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina “por parte dos portugueses, bem como de alguns turistas estrangeiros que continuam a chegar “, a Rota Vicentina chama a atenção para a necessidade de "uma maior co-responsabilização de todos os amantes desta costa tão selvagem, para que assim possa permanecer por muitos anos"

No documento, salienta-se que “a sustentabilidade é a grande motivação do trabalho desta associação de agentes e habitantes locais”, assinalando-se a "forte preocupação" dos habitantes locais com “uma crescente tendência do campismo e caravanismo selvagem nas falésias e praias da região". Mas também com o “parqueamento abusivo em parques de estacionamento urbanos e das próprias praias, terrenos privados e áreas onde a sua circulação é inclusive proibida”. Tudo com “consequências ao nível de impactos paisagísticos, ambientais e sociais”. 

"A dimensão do fenómeno já ultrapassou há muito a real capacidade de carga da região, e passou a ser frequente encontrar lixo e dejectos humanos ao longo da costa", atesta a Rota Vicentina, que é apoiada por “uma rede de 200 empresas de diferentes sectores”, além de “operadores turísticos internacionais”, todos empenhados na “sustentabilidade” e numa “oferta de alta qualidade”.

É com este tom de preocupação que a associação lançou esta quinta-feira um apelo a “uma conduta consciente por parte de todos os visitantes, com destaque para a prática do campismo e caravanismo, que deve acontecer exclusivamente nos parques de campismo da região”.