Torne-se perito

Governo libanês anuncia duas semanas de estado de emergência em Beirute

Há pelo menos 135 mortos e 5000 feridos. Operações de resgate prosseguem e número de vítimas deve ainda subir nas próximas horas. Hospitais não estão a conseguir dar resposta e alguns ficaram destruídos. Porto onde ocorreu a explosão tinha 85% dos cereais do país. Investigações iniciais apontam para “negligência” no armazenamento de 2750 toneladas de nitrato de amónio.

Beirute acordou de luto e a procurar vítimas entre os destroços causados pela violenta explosão que destruiu o porto da capital libanesa na terça-feira, matando pelo menos 135 pessoas e ferindo mais de cinco mil, de acordo com o último balanço do Governo, divulgado pelas 17h (hora em Portugal continental). A dimensão da catástrofe que se abateu sobre a capital do Líbano é gigantesca, e o Governo decretou duas semanas de estado de emergência.

Há ainda dezenas de desaparecidos e o número de vítimas deverá continuar a subir nas próximas horas, enquanto decorrem as operações de busca e salvamento nas áreas circundantes. Segundo a Reuters, foram colocados em prisão domiciliária todos os responsáveis pela segurança e pelos armazéns do Porto de Beirute desde 2014 - um ano depois de terem estado armazenados ali as 2750 toneladas de nitrato de amónio, um químico utilizado como fertilizante, que se julga ter estado na origem desta gigantesca explosão.

O Governo português não tem indicações de que haja cidadãos nacionais entre as vítimas mortais das explosões, disse à Lusa a secretária de Estado das Comunidades Portuguesas, Berta Nunes. Mas um português, casado com uma libanesa, pediu ajuda ao executivo de António Costa para regressar a Portugal, referindo que a fachada do prédio onde vive em Beirute ficou destruída, bem como o rés-do-chão e o primeiro andar. Apela a que o seu processo seja acelerado, uma vez que a sua mulher precisa de visto. 

PÚBLICO - A explosão terá tido origem num armazém de pirotecnia na zona portuária da capital libanesa
A explosão terá tido origem num armazém de pirotecnia na zona portuária da capital libanesa Reuters/AZIZ TAHER
PÚBLICO - Os edifícios nas imediações da explosão sofreram danos estruturais, como mostra a fachada deste prédio
Os edifícios nas imediações da explosão sofreram danos estruturais, como mostra a fachada deste prédio Reuters/AZIZ TAHER
PÚBLICO - O porto, situado junto à baixa da cidade, ficou totalmente destruído
O porto, situado junto à baixa da cidade, ficou totalmente destruído Reuters/MOHAMED AZAKIR
PÚBLICO - O armazém continha 2750 toneladas de nitrato de amónio, um componente químico utilizado no fabrico de foguetes e explosivos
O armazém continha 2750 toneladas de nitrato de amónio, um componente químico utilizado no fabrico de foguetes e explosivos Reuters/AZIZ TAHER
PÚBLICO - O exército foi convocado pelo governo local para ajudar nas operações de combate ao incêndio que deflagrou no local da explosão
O exército foi convocado pelo governo local para ajudar nas operações de combate ao incêndio que deflagrou no local da explosão Reuters/ISSAM ABDALLAH
PÚBLICO - Militares saíram à rua para ajudar nos trabalhos de limpeza e de resgate
Militares saíram à rua para ajudar nos trabalhos de limpeza e de resgate Reuters/AZIZ TAHER
PÚBLICO - Os edifícios circundantes ficaram totalmente destruídos, dificultando as operações de resgate às equipas presentes no local
Os edifícios circundantes ficaram totalmente destruídos, dificultando as operações de resgate às equipas presentes no local EPA/WAEL HAMZEH
PÚBLICO - Habitantes da cidade de Limassol, no Chipre, a cerca de 240 quilómetros do local da explosão, relatam ter sentido o abalo
Habitantes da cidade de Limassol, no Chipre, a cerca de 240 quilómetros do local da explosão, relatam ter sentido o abalo EPA/WAEL HAMZEH
PÚBLICO - Testemunhas no local afirmam haver automóveis lançados para o topo de edifícios de três andares
Testemunhas no local afirmam haver automóveis lançados para o topo de edifícios de três andares EPA/WAEL HAMZEH
PÚBLICO - Até ao momento, não há registo de portugueses entre as vítimas da explosão
Até ao momento, não há registo de portugueses entre as vítimas da explosão Reuters/AZIZ TAHER
PÚBLICO - Os soldados patrulham as ruas enquanto os trabalhos de limpeza e resgate decorrem na cidade
Os soldados patrulham as ruas enquanto os trabalhos de limpeza e resgate decorrem na cidade Reuters/AZIZ TAHER
PÚBLICO - Os populares tentam ajudar as autoridades na limpeza dos estragos causados pela explosão
Os populares tentam ajudar as autoridades na limpeza dos estragos causados pela explosão Reuters/AZIZ TAHER
PÚBLICO - Existem danos em diversos edifícios e serviços da capital libanesa
Existem danos em diversos edifícios e serviços da capital libanesa Reuters/AZIZ TAHER
PÚBLICO - As causas do acidente ainda estão por apurar, mas investigações preliminares apontam para negligência
As causas do acidente ainda estão por apurar, mas investigações preliminares apontam para negligência Reuters/MOHAMED AZAKIR
PÚBLICO - Estima-se que existam 4000 feridos, mas o real número de vítimas ainda não é claro
Estima-se que existam 4000 feridos, mas o real número de vítimas ainda não é claro Reuters/MOHAMED AZAKIR
PÚBLICO - A explosão, que terá alastrado a um navio atracado no porto, teve origem no edifício ao centro da imagem
A explosão, que terá alastrado a um navio atracado no porto, teve origem no edifício ao centro da imagem EPA/WAEL HAMZEH
PÚBLICO - Durante a manhã de terça-feira, ainda existiam alguns incêndios no local da explosão
Durante a manhã de terça-feira, ainda existiam alguns incêndios no local da explosão EPA/WAEL HAMZEH
PÚBLICO - Diversos países já se disponibilizaram para disponibilizar ajuda médica e humanitária, incluindo a Turquia, que já colocou voluntários de uma ONG no terreno
Diversos países já se disponibilizaram para disponibilizar ajuda médica e humanitária, incluindo a Turquia, que já colocou voluntários de uma ONG no terreno Reuters/IHH
PÚBLICO - Os hospitais, que já se encontravam lotados devido à pandemia de covid-19, temem não ter capacidade para dar resposta às vítimas do acidente
Os hospitais, que já se encontravam lotados devido à pandemia de covid-19, temem não ter capacidade para dar resposta às vítimas do acidente Reuters/IHH
PÚBLICO - De entre os edifícios afectados, estão alguns hospitais, que foram evacuados, tendo alguns feridos sido tratados em parques de estacionamento da cidade
De entre os edifícios afectados, estão alguns hospitais, que foram evacuados, tendo alguns feridos sido tratados em parques de estacionamento da cidade Reuters/MOHAMED AZAKIR
PÚBLICO - O custo total dos danos materiais causados pela explosão ainda está por apurar
O custo total dos danos materiais causados pela explosão ainda está por apurar EPA/WAEL HAMZEH
PÚBLICO - Os edifícios portuários foram os primeiros a sofrer com a onda de choque da explosão. Há, inclusive, relatos de navios que afundaram
Os edifícios portuários foram os primeiros a sofrer com a onda de choque da explosão. Há, inclusive, relatos de navios que afundaram EPA/WAEL HAMZEH
PÚBLICO - Também o Irão enviou ajuda humanitária através da ONG Crescente Vermelho, que colocou voluntários no terreno para ajudar as equipas no local
Também o Irão enviou ajuda humanitária através da ONG Crescente Vermelho, que colocou voluntários no terreno para ajudar as equipas no local Reuters/WANA NEWS AGENCY
PÚBLICO - A República Checa enviou para Beirute membros de equipas de busca e salvamento
A República Checa enviou para Beirute membros de equipas de busca e salvamento Reuters/DAVID W CERNY
PÚBLICO - As equipas checas são compostas por binómios cinotécnicos (humano + cão), e têm como objectivo ajudar a procurar vítimas nos escombros
As equipas checas são compostas por binómios cinotécnicos (humano + cão), e têm como objectivo ajudar a procurar vítimas nos escombros Reuters/DAVID W CERNY
PÚBLICO - As operações de limpeza e salvamento nos escombros da explosão na zona portuária continuam
As operações de limpeza e salvamento nos escombros da explosão na zona portuária continuam EPA/NABIL MOUNZER
PÚBLICO - A explosão fez com que habitantes da cidade ficassem desalojados
A explosão fez com que habitantes da cidade ficassem desalojados EPA/NABIL MOUNZER
PÚBLICO - Os habitantes dos bairros de Mar Mikhael e Gemayzeh, próximos da zona portuária, procuram, agora, realojar-se noutro local
Os habitantes dos bairros de Mar Mikhael e Gemayzeh, próximos da zona portuária, procuram, agora, realojar-se noutro local EPA/NABIL MOUNZER
PÚBLICO - França é outro dos países a enviar ajuda humanitária para Beirute, com equipas de busca e salvamento, pessoal médico e material de primeiros socorros
França é outro dos países a enviar ajuda humanitária para Beirute, com equipas de busca e salvamento, pessoal médico e material de primeiros socorros EPA/BERTRAND GUAY / POOL
PÚBLICO - Na cidade, multiplicam-se os esforços populares para ajudar nas buscas
Na cidade, multiplicam-se os esforços populares para ajudar nas buscas EPA/NABIL MOUNZER
PÚBLICO - Segundo os responsáveis libaneses, existem mais de 4000 feridos e 100 mortos. No entanto, estes números devem subir nas próximas horas
Segundo os responsáveis libaneses, existem mais de 4000 feridos e 100 mortos. No entanto, estes números devem subir nas próximas horas EPA/NABIL MOUNZER
PÚBLICO - A ONG iraniana Crescente Vermelho tem enviado ajuda humanitária para a região, à qual se junta, agora, o apoio do governo de Teerão
A ONG iraniana Crescente Vermelho tem enviado ajuda humanitária para a região, à qual se junta, agora, o apoio do governo de Teerão EPA/STR
PÚBLICO - O presidente iraniano, Hassan Rouhani, decidiu apoiar o Líbano e vai enviar mais ajuda humanitária para a região nas próximas horas
O presidente iraniano, Hassan Rouhani, decidiu apoiar o Líbano e vai enviar mais ajuda humanitária para a região nas próximas horas Reuters/WANA NEWS AGENCY
PÚBLICO - Também edifícios governamentais ficaram danificados, como o palácio presidencial e embaixadas de outros países em Beirute
Também edifícios governamentais ficaram danificados, como o palácio presidencial e embaixadas de outros países em Beirute EPA/WAEL HAMZEH
PÚBLICO -
EPA/NABIL MOUNZER
Fotogaleria

Na manhã desta quarta-feira, o fumo continuava a sair do porto. As ruas da capital estão cheias de destroços e carros queimados, as fachadas dos prédios estão destruídas, as janelas partidas e vários telhados caíram, tornando as casas inabitáveis. Até 300 mil pessoas podem ficar desalojadas, segundo o governador da capital, Marwan Abboud. 

Foram enviados miliares para limpar os escombros, e helicópteros continuam a deitar água para evitar reacendimentos. 

"Enorme catástrofe"

“O que estamos a testemunhar é uma enorme catástrofe. Há vítimas e mortes em todo o lado”, disse George Kettaneh, responsável da Cruz Vermelha libanesa, a uma emissora local. “É uma catástrofe. Há corpos no chão e as ambulâncias continuam a transportar os mortos”, acrescentou um soldado no terreno.

O Presidente do Líbano, Michel Aoun, declarou três dias de luto nacional e anunciou que o Governo vai disponibilizar cem mil milhões de libras (cerca de 50 milhões de euros) em fundos de emergência.

Um dos receios é que os gases emitidos pela explosão causem sequelas, pelo que as autoridades aconselham os cidadãos a ficarem em casa. O primeiro-ministro, Hassan Diab, fez um breve discurso ao país na manhã desta quarta-feira e afirmou que o Líbano está a viver uma “enorme catástrofe”.

"Negligência"

Na noite de terça-feira, Diab referiu que a explosão, que originou um terramoto de 3,5 na escala de Richter sentido em Chipre, a mais de 200 km de distância, foi causada pela detonação das 2750 toneladas de nitrato de amónio, um químico industrial utilizado sobretudo como fertilizante, que estavam armazenado no porto de Beirute há seis anos.

“Parecia uma bomba atómica”, afirmou Makrouhie Yerganian, uma professora reformada que vive perto do porto. “Já vivi de tudo, mas nada como isto.”

O Presidente norte-americano, Donald Trump, insinuou, sem especificar, que o Líbano sofreu um “terrível ataque” à bomba. No entanto, três oficiais do Departamento de Defesa norte-americano, ouvidos, sob anonimato, pela CNN, descartaram esta hipótese. O Governo libanês prometeu uma investigação e punições severas para os culpados.  

Segundo uma fonte oficial ouvida sob anonimato pela Reuters, as investigações iniciais quanto à origem da explosão apontam para inacção das autoridades e “negligência” quanto ao armazenamento do nitrato de amónio. A mesma fonte acrescenta que houve um incêndio no porto que alastrou até ao armazém onde estava armazenado o fertilizante.

Outra fonte próxima da administração do porto referiu que há seis meses houve uma inspecção no local e, na altura, foi feito um aviso de que se o material não fosse retirado “poderia fazer explodir Beirute”.

Mas porque havia tamanha quantidade de nitrato de amónio nos armazéns do porto de Beirute? Sabe-se que foi confiscada a um navio em 2013, Rhosus, que pertenceu a um cidadão russo chamado Igor Grechushkin, que vivia no Chipre. O navio terá chegado à capital libanesa enquanto viajava da Georgia para Moçambique. Foi impedido de sair do porto em 2014, por questões que ainda não foram totalmente clarificadas, mas que apontam para falhas mecânicas ou para falta de pagamentos.

A Cornelder, empresa gestora do porto da Beira, em Moçambique, negou à Lusa que tenha sido notificada que um navio “com essas características e carga” se destinasse ao país.

Hospitais destruídos

Enquanto prosseguem as operações de resgate, há pessoas na rua desesperadas por não saberem o paradeiro dos seus familiares. Os hospitais não estão a conseguir dar resposta às vítimas que chegam e, segundo a AFP, muitos feridos estão a ser levados para hospitais fora de Beirute. A presidente da Ordem dos Enfermeiros revelou à Al-Jazeera que pelo menos três hospitais da capital ficaram destruídos devido à explosão.

“Todos os pisos do hospital estão danificados. Nunca vi nada assim, nem na guerra”, disse ao New York Times Peter Noun, chefe do departamento de hematologia e oncologia pediátrica do Hospital St. George, em Beirute. “Os danos são extremamente graves. Todas as divisões estão danificadas. Caiu tudo, as janelas estão destruídas e os tectos estão em pedaços”, acrescentou.

Enquanto se sucedem os anúncios de ajuda económica ao país, que chegam de França, Irão, Arábia Saudita, Malásia, Jordânia, entre muitos outros países, o Governo libanês começa a fazer contas aos estragos. O governador de Beirute estima que a explosão tenha causado entre três mil e cinco mil milhões de dólares de prejuízo.

Visita de Macron

Na quinta-feira, o Presidente francês, Emmanuel Macron, desloca-se ao Líbano, onde se vai encontrar com o seu homólogo, Michel Aoun, e com Hassan Diab. A União Europeia também já anunciou o envio de 100 bombeiros altamente treinados, com veículos, cães e equipamento, especializados em busca e salvamento em contextos urbanos, enquanto a Austrália anunciou uma doação de 1,4 milhões de dólares. 

O país atravessa uma profunda crise económica que causou uma enorme inflação, desvalorização da moeda e desemprego, agravada pela pandemia de covid-19. O preço dos alimentos disparou, muitas pessoas deixaram de ter dinheiro para comprar carne, e nem o pão está garantido para muitas famílias.

PÚBLICO -
Aumentar

Acresce que o Líbano importa cerca de 90% do seu trigo e a grande maioria passava pelo porto destruído pela explosão. Escreve o Guardian que os celeiros portuários tinham cerca de 85% dos cereais do país. O ministro da Economia e do Comércio, Raoul Nehme, afirmou que à agência de notícias estatal que todo o trigo armazenado ficou destruído, mas garantiu que o país tem cereais suficientes para as necessidades básicas imediatas.

As primeiras imagens da explosão Carolina Pescada/Reuters

A crise económica tem levado os libaneses a saírem às ruas para protestar contra o Governo, agora chefiado por Hassan Diab, que tomou posse no início deste ano, com o apoio do Hezbollah, mas que não está a conseguir reverter aquela que é considerada a crise mais grave desde o final da guerra civil, em 1990. Além disso, o executivo não tem sido bem-sucedido nas negociações com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para obter um empréstimo, no que toca às reformas necessárias, o que tem deixado o país num impasse.

Por isso, defende o professor da Universidade Americana de Beirute Nasser Yassin, mais do que nunca, o Líbano precisa de “líderes responsáveis” e do apoio da comunidade internacional. “Temos visto que o Governo não toma decisões correctas no que diz respeito à economia, finanças ou questões sociais. E consigo imaginar que este desastre seja tratado da mesma forma, com o povo libanês por si só, apoiado nas suas comunidades”, lamentou o analista à Al-Jazeera.

Sugerir correcção