Contrapostais, 600 cartas de amor e outras preciosidades do Descon’FIMFA

Cancelada a edição dos 20 anos que deveria ter acontecido em Maio, o FIMFA decidiu não parar e transformou-se, com o desconfinamento, em Descon’FIMFA. O festival, que decorre de 5 de Agosto a 3 de Setembro, arranca em dose dupla com a companhia Oligor e Microscopía.

festival-internacional-marionetas-formas-animadas,marionetas,teatro,culturaipsilon,lisboa,turismo,
Foto
La Melancolía del Turista é o espectáculo de abertura deste FIMFA transformado em Descon'FIMFA OLIGOR Y MICROSCOPÍA

Em Maio passado, o Festival Internacional de Marionetas e Formas Animadas (FIMFA) deveria ter comemorado, com alguma pompa, as duas décadas de vida e de divulgação persistente daquilo que de mais extraordinário se vai produzindo pelo mundo dentro daquele largo espectro de possibilidades artísticas. Só que, dois meses antes, o novo coronavírus roubou a cena, estabeleceu-se como protagonista – um protagonista de dimensões ainda mais microscópicas do que algumas das apostas mais belas e arriscadas de passadas edições do FIMFA , e a festa foi cancelada. Autorizada a reabertura dos teatros, porém, Luís Vieira e Rute Ribeiro, directores artísticos do festival e da companhia A Tarumba, ergueram em tempo recorde o Descon’FIMFA – que é como quem diz um FIMFA em desconfinamento, menos ambicioso em termos de caudal de apresentações, mas empenhado em não deixar correr 2020 sem uma pequena celebração.