Desp. Aves falha entrega do recurso e desce mesmo ao Campeonato de Portugal

A administração da SAD do emblema do concelho de Santo Tirso tinha de apresentar a documentação junto dos serviços da Liga até às 23h59 horas de segunda-feira, mas, ao contrário do Vitória de Setúbal, dispensou a contestação à decisão de veto de inscrição nas provas profissionais.

Aves vai actuar no Campeonato de Portugal
Foto
Aves vai actuar no Campeonato de Portugal LUSA/OCTÁVIO PASSOS

O Desportivo das Aves falhou o recurso ao veto de inscrição nas competições profissionais da próxima época, confirmou nesta terça-feira Estrela Costa, accionista da empresa gestora da SAD do clube. Ao não apresentar o recurso, o clube deverá mesmo descer ao Campeonato de Portugal, pela proibição de se inscrever nas provas dos escalões profissionais.

“O tribunal ainda não viabilizou o Processo Especial de Revitalização (PER) solicitado a 24 de Julho. A lei é clara: não podemos fazer a inscrição com um PER se não tivermos esse acordo homologado no Tribunal da Comarca de Santo Tirso. Como nada disso aconteceu, não valia a pena recorrer”, explicou à agência Lusa a dirigente dos avenses.

A administração do emblema do concelho de Santo Tirso tinha de apresentar a documentação junto dos serviços da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) até às 23h59 horas de segunda-feira, mas, ao contrário do Vitória de Setúbal, dispensou a contestação junto do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

Recorde-se que avenses e sadinos falharam na quarta-feira os requisitos de licenciamento rumo às provas profissionais de 2020/21, tendo a Comissão de Auditoria da LPFP detectado três critérios legais e 13 financeiros infringidos pelo Desportivo das Aves, que tenta negociar com os 32 credores a reestruturação de todas as dívidas num único plano de pagamento.

“Continuamos com dívidas à Autoridade Tributária e à Segurança Social. A boa notícia é que ficaram extintas as dívidas para com outras sociedades desportivas. Contudo, não podíamos fazer nada em todas as outras alíneas sem um PER aprovado e homologado”, enquadrou Estrela Costa, conformada com a descida ao Campeonato de Portugal.

A SAD do Desportivo das Aves, liderada pelo chinês Wei Zhao, acumula quatro meses de salários em atraso, responsáveis por 11 rescisões unilaterais de atletas na recta final da I Liga, na qual obteve a 18.ª e última posição, com 17 pontos, consumando a descida à II Liga pela via desportiva, a par do Portimonense.

“Já estamos a preparar a próxima época. Vamos um bocadinho atrasados, até porque temos umas questões logísticas e financeiras pendentes da época anterior. Sabemos perfeitamente que é difícil, mas estamos a criar uma equipa sustentável”, apontou a accionista maioritária da empresa Galaxy Believers, que controla 90% do futebol avense.

Sugerir correcção