Ex-ministro britânico detido por violação e agressão sexual

O deputado do Partido Conservador não foi identificado, a não ser que se trata de um homem na “casa dos 50 anos”. É suspeito de três crimes.

partido-conservador,assedio-sexual,mundo,reino-unido,europa,
Foto
Suspeito é um actual deputado do partido do primeiro-ministro Boris Johnson Reuters/UK Parliament/Roger Harris

Um deputado e ex-ministro britânico do Partido Conservador, não identificado, foi detido no sábado em sua casa (e mais tarde libertado depois de pagar fiança), na sequência de acusações de violação, agressão sexual e controlo coercivo.

A queixa foi apresentada por uma mulher que, de acordo com a imprensa britânica, trabalhava numa propriedade do político e diz ter sido abusada em várias ocasiões. A mulher testemunhou que foi agredida e forçada a manter relações sexuais com o deputado.

A Scotland Yard referiu ter recebido queixas relativas a “quatro incidentes separados envolvendo acusações de abuso e agressão sexual” que ocorreram entre Julho de 2019 e Janeiro deste ano. Não foram dadas mais informações sobre a identidade do suspeito além de que está na “casa dos 50 anos”.

As acusações foram divulgadas ao líder da bancada parlamentar conservadora, Mark Spencer, e ao líder do Governo na Câmara dos Comuns, Jacob Rees-Mogg, de acordo com o Sunday Times.

Um porta-voz de Spencer disse que “o líder da bancada leva todas as acusações de assédio e abuso de forma extremamente séria e encorajou fortemente qualquer pessoa que o tenha abordado a contactar as autoridades pertinentes”.

Esta notícia envolvendo um deputado tory surge três dias depois da condenação histórica de outro parlamentar conservador, Charlie Elphicke, por agressão sexual. Numa delas, o político, que chegou a ser líder da bancada parlamentar conservadora, apalpou uma das queixosas e perseguiu-a pela sua casa enquanto cantava “sou um tory maroto”. Pode ser condenado a uma pena de prisão.

Sugerir correcção