Porto

Manifestação contra o racismo: "Bruno Candé?", "Presente!"

Cerca de 200 manifestantes reuniram-se este sábado na Avenida dos Aliados, no Porto, no segundo dia de manifestações contra o racismo.

Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

Às 16h de uma tarde de sábado, reunia-se no Porto, no cimo da Avenida dos Aliados, um círculo de pessoas com máscara posta, liderado pela voz de Navváb Aly Danso, blogger e activista que criou o evento “Justiça para Bruno Candé”, na sequência do homicídio do actor na Avenida de Moscavide, depois de tiros disparados alegadamente por um homem de 76 anos. Esta é a quarta vez que os movimentos contra o racismo saem à rua este ano.

Espalhados pelo círculo, os manifestantes exibiam cartazes com mensagens convictas: “A verdade dói, a violência dói”, “Nós estamos aqui”, “Negar o racismo é racismo”, “Portugal, ‘pai incógnito’ do Ultramar”. Entre gritos colectivos de “Racistas, fascistas, não passarão!” e “Nós estamos aqui”, foram várias as vozes que se fizeram ouvir através de um megafone, contando histórias pessoais do racismo que é vivido em Portugal.

Uma dessas histórias é a de Mariana Modesto, uma jovem de 17 anos que revela ter perdido “três anos de escola” por causa do bullying que sofria por ser “preta”, a palavra que surge estampada na t-shirt de Navváb Aly Danso. Ao mudar de escola, Mariana conta ter “superado” os traumas sofridos, mas a luta ainda só agora começou: “Eu estou cansada de viver com medo”, desabafa, relatando que o pai trabalha em França, “de segunda a sexta, sem descanso”, recebendo “o salário de um branco que trabalha quatro horas”. Já o avô, foi assassinado na Guiné, “a sua terra, o país que amava”, lamenta.

Navváb Aly Danso partilha com o PÚBLICO que toda a manifestação consistiu numa tentativa de “reunir forças e partilhar a injustiça que é Portugal, um país que negam ser racista”. “Este acto violento trouxe-nos à rua”, salienta, “mesmo em tempos de pandemia, é importante para nós”. Navváb diz ser vítima de racismo nos “transportes e nos serviços de atendimento público” através de “olhares” e de “faltas de respeito”.

No final da manifestação, ergueram-se punhos no ar — brancos, pretos, de todas as cores —, depois de, sempre que gritado o nome “Bruno Candé” pelo megafone, todas as vozes se juntarem em uníssono para exclamar: “Presente!”.

Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Sugerir correcção