Três jovens acusados de ataque ao Twitter que pirateou contas de Bill Gates, Elon Musk e outros famosos

A operação resulta de uma investigação conjunta entre o FBI, os Serviços Secretos dos EUA, as autoridades do estado de Florida e o Fisco norte-americano.

internet,eua,tecnologia,ciberseguranca,twitter,pirataria-informatica,
Foto
Os atacantes acederam a mensagens privadas de 36 contas Dado Ruivic/Reuters

Um adolescente norte-americano de 17 anos foi detido na manhã desta sexta-feira na cidade de Tampa, na Florida, nos Estados Unidos, por suspeitas de ter desencadeado o mais recente ciberataque ao Twitter. A operação resulta de uma investigação conjunta entre o FBI, os Serviços Secretos e as autoridades fiscais dos EUA, e a polícia da Florida.

O jovem não operou sozinho. Horas depois da divulgação da detenção na Florida, o Departamento de Justiça dos EUA acusou formalmente mais duas pessoas de estarem envolvidas, incluindo Mason Sheppard, um homem de 19 anos (conhecido por “Chaewon”) no Reino Unido, e Nima Fazelli (“Rolex”), 22 anos, de Orlando, Florida.

Em causa está o ataque ao Twitter no dia 15 de Julho no qual dezenas de contas de celebridades e marcas no site — como a Apple, a Uber, Bill Gates e Elon Musk e Jeff Bezos — foram pirateadas para mostrar publicidade à criptomoeda bitcoin. Ao todo, os atacantes publicaram mensagens falsas em 45 contas, viram mensagens privadas de 36 contas, e descarregaram dados de outras sete.

“Os cibercriminosos já não vão encontrar santuário por detrás dos teclados”, frisou, em comunicado, o agente do FBI responsável pelas operações, John F. Bennet.

Para as autoridades, mais do que as celebridades e marcas visadas, as grandes vítimas do ataque foram os restantes utilizadores do site. Nas mensagens e publicações fraudulentas era sugerido aos utilizadores que enviassem bitcoins com a promessa de que o investimento seria multiplicado.

“Os crimes deste indivíduo foram perpetrados usando os nomes de celebridades, mas o objectivo do crime era roubar dinheiro a cidadãos norte-americanos, incluindo aqui na Florida”, explicou Andrew Warren, procurador-geral de Hillsborogh Country, num vídeo partilhado no Twitter, sobre a detenção do jovem de 17 anos.

O jovem, que terá acumulado mais de 100 mil dólares (perto de 88 mil euros) num só dia com o esquema, é acusado de ter cometido um total de 30 crimes, incluindo cibercrime, fraude de identidade, e fraude. Os companheiros são acusados do mesmo.

“A notícia das detenções de hoje mostra que o entusiasmo de atacar nefastamente um ambiente seguro para diversão ou ganhos monetários não será duradoura”, disse em comunicado o procurador-geral para o Distrito Norte, da Califórnia, David L. Anderson. ”Há uma falsa ideia no interior da comunidade de cibercriminosos de que ataques como os do Twitter podem ser realizados anonimamente e sem consequências.”

Esta quinta-feira, a rede social Twitter explicou que o esquema foi desencadeado através de phishing – uma técnica muito popular em que os atacantes usam emails e telefonemas falsos para levar um utilizador a fornecer dados confidenciais por engano.

“O ataque dependeu de tentativas significativas e concentradas para manipular determinados trabalhadores e explorar vulnerabilidades humanas para conseguir acesso aos nossos sistemas internos”, escreveu a empresa. 

Sugerir correcção