Índice de transmissão da covid-19 em Portugal sobe, mas continua abaixo de 1

Entre 23 e 27 de Julho, o Rt a nível nacional foi de 0,94. Apesar do ligeiro aumento, continua a verificar-se uma “trajectória de decréscimo paulatino”, de acordo com o INSA. O Alentejo é a região com o índice de transmissão mais alto.

covid19,coronavirus,saude,sociedade,portugal,doencas,
Foto
Mário Cruz/Lusa

O índice de transmissão (Rt) do novo coronavírus aumentou em Portugal entre 23 e 27 de Julho, de acordo com os dados do Instituto de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), mas continua abaixo de 1. O relatório desta sexta-feira dá conta de um Rt de 0,94 a nível nacional, um aumento face ao Rt 0,92 entre 16 a 20 de Julho

O Rt é o número médio de casos secundários resultantes de um caso infectado. “Deve ser calculado ao longo da epidemia e mede a transmissão ao longo do tempo”, permitindo perceber a efectividade das medidas de contenção e de mitigação adoptadas, explica o INSA.

O índice de transmissão nacional é inferior a 1 desde 12 de Julho, o que significa que, de cada infectado, resulta em média menos de um caso secundário. Verifica-se, assim, uma diminuição das infecções. Pelo contrário, os casos de covid-19 aumentam se o Rt for igual a 1 (uma pessoa infectada vai infectar, em média, outra) ou acima de 1 (um infectado vai dar origem, em média, a mais de um novo infectado).

Apesar da subida no Rt verificada entre 23 e 27 de Julho, o INSA realça que, como o índice continua abaixo de 1, o “número de novos casos a cada geração está numa trajectória de decréscimo paulatino”, tal como na semana anterior.

A região que registou o Rt mais alto entre 23 e 27 de Julho foi o Alentejo, com 1,14, um aumento face ao índice de transmissão de 1 verificado na semana anterior. O Rt também subiu no Norte, de 0,85 para 0,97; no Centro, de 0,94 para 1,01; e no Algarve, de 1,02 para 1,09. Em Lisboa e Vale do Tejo, o índice de transmissão manteve-se em 0,92. O INSA não apresenta o Rt das regiões autónomas devido ao baixo número de casos de covid-19 reportados.

O INSA realça no relatório que a “trajectória decrescente” observada a nível nacional desde 12 de Julho é também verificada na região Norte, com um Rt inferior a 1 desde 14 de Julho, e em Lisboa e Vale do Tejo, que apresenta um Rt menor do que 1 desde 11 de Julho.

Quanto ao Centro, Alentejo e Algarve, todas com um Rt acima de 1, o instituto refere que as regiões “continuam com um nível de incidência elevado e não apresentam um comportamento de crescimento sustentado nos últimos dias.

Desde o começo da epidemia em Portugal, o Rt variou entre 0,89 e 2,39, de acordo com o INSA, com tendências decrescentes desde dia 12 de Março (dia em que foi anunciado o fecho das escolas) e decréscimos mais acentuados a 16 de Março (fecho das escolas) e 18 de Março (data do anúncio do estado de emergência). 

Sugerir correcção