Telecomunicações portuguesas não terão Huawei nas redes core 5G. Não há “imposições” do Governo

“Não tem nada a ver com as opções ou imposições do Governo português, que nesta matéria está absolutamente alinhado com a orientação europeia”, garante o ministro das Infra-estruturas, Pedro Nuno Santos.

huawei,empresas,telecomunicacoes,tecnologia,vodafone,governo,
Foto
A empresa ainda não fez comentários Reuters/Matthew Childs

As operadoras de telecomunicações Nos, Altice e Vodafone, que dominam o mercado em Portugal, dizem que não fazem tenções de utilizar a tecnologia da Huawei nas novas redes core 5G, apesar de o Governo não ter banido o gigante chinês da infra-estrutura. A informação foi avançada pela Reuters, que cita porta-vozes das três operadoras e o ministro das Infra-estruturas, Pedro Nuno Santos. 

As chamadas “redes core 5G” são uma parte central da infra-estrutura das novas redes 5G, que se dividem entre rádio (que inclui toda a ligação com as antenas) e core (o núcleo que inclui servidores e mecanismos que encaminham o tráfego das antenas e tratam da conectividade à rede e da rapidez das operações).

Actualmente, não há redes core 5G operacionais em Portugal (a primeira fase do 5G, irá funcionar em redes core 4G), mas com os EUA a frisar que não vão utilizar infra-estrutura da tecnológica chinesa nas novas redes 5G devido a preocupações de cibersegurança, os presidentes executivos da Nos, Altice e Vodafone clarificaram que a Huawei não faz parte dos planos para o núcleo das novas redes 5G. Isto não impede, no entanto, os equipamentos 5G da Huawei de funcionarem nas redes das operadoras.

Uma porta-voz da Nos disse à agência Reuters que a empresa “não terá equipamento Huawei na sua rede de base” e escolherá os “melhores parceiros” para cada uma das componentes da rede. Uma porta-voz da Vodafone referiu à Reuters que a empresa irá tomar a mesma opção, acrescentando que “tem trabalhado na preparação da rede 5G com a sua histórica e preferida parceira, a Ericsson”. O CEO da Altice, Alexandre Fonseca, disse o mesmo em Março.

O ministro das Infra-estruturas, Pedro Nuno Santos, confirmou à Reuters que “ouviu que a Huawei ficaria de fora”. “Não tem nada que ver com as opções ou imposições do Governo português, que nesta matéria está absolutamente alinhado com a orientação europeia”, acrescentou o governante. “Não temos questões a priori com qualquer fabricante”, disse Pedro Nuno Santos, revelando que um grupo criado pelo Governo para avaliar riscos e questões de cibersegurança relacionadas com a 5G concluiu o seu trabalho e não tirou quaisquer conclusões dirigidas contra qualquer fornecedor em particular.

A Huawei não fez comentários.

A pressão dos EUA e a posição da UE

Desde o ano passado que os Estados Unidos tentam convencer os seus aliados, incluindo Portugal, a não adquirir equipamentos de infra-estrutura para as redes 5G da Huawei, devido a receios de espionagem. A questão de utilizar ou não a tecnologia da Huawei ganhou importância também na Europa, devido à pressão dos Estados Unidos para excluir a empresa chinesa.

Os Estados Unidos colocaram a Huawei numa espécie de “lista negra” que impede as empresas americanas de lhes fornecer serviços ou produtos. Esse é um dos motivos para os novos telemóveis topo de gama da Huawei não terem pré-instaladas, quando chegam ao mercado, as aplicações do Google.

Em Janeiro, a União Europeia (UE) apresentou um plano de segurança para a quinta geração móvel, onde reconhece a existência de um elevado risco de interferência de governos externos à UE, ou de agentes em nome destes, através das redes 5G. Por esse motivo, a Comissão Europeia pede poderes de vigilância acrescidos para as autoridades nacionais e reguladores.

A Comissão instou os Estados-membros da UE a tomarem medidas urgentes para diversificar os seus fornecedores de 5G. A estratégia europeia inclui a redução da dependência dos países e dos operadores de telecomunicações relativamente a um único fornecedor.

No Reino Unido, vai ser proibida a compra de qualquer novo equipamento 5G da Huawei a partir de 1 de Janeiro de 2021, decisão que foi anunciada este mês. As operadoras britânicas vão ter de remover todo o equipamento da empresa chinesa usado na infra-estrutura de telecomunicações 5G até ao final de 2027, ordenou o executivo britânico. 

Em Portugal, o leilão para atribuição de licenças de 5G foi adiado devido à pandemia, estando previsto que se realize entre Outubro e Dezembro. A atribuição dos direitos de utilização de frequências deverá ocorrer entre Janeiro e Fevereiro de 2021, de acordo com a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom).

Correcção: A Altice, Nos e Meo não utilizarão equipamento Huawei no core (núcleo) das novas redes 5G.

Sugerir correcção