Manifestações na sexta-feira e sábado contra morte de actor Bruno Candé e pelas vítimas do racismo

Os protestos vão decorrer em Lisboa, Coimbra, Porto e Braga. Da organização fazem parte a família do actor e grupos anti-racistas e do movimento negro. Actor foi assassinado em plena Avenida de Moscavide no sábado, suspeito homicida está preso preventivamente.

loures,racismo,sociedade,portugal,coimbra,lisboa,
Foto
Bruno Candé foi assassinado no passado sábado em Moscavide DIOGO VENTURA

Este fim-de-semana o actor Bruno Candé, assassinado no sábado em Moscavide, será homenageado em vários locais. Para sexta-feira está marcada uma concentração no Largo de São Domingos, em Lisboa, às 18h, organizada por colectivos anti-racistas e movimentos negros sob o chapéu O racismo matou de novo: justiça por Bruno Candé. Da organização fazem parte a família do actor e grupos como o SOS Racismo, Afrolis, Djass, Consciência Negra, Femafro, os núcleo anti-racistas do Porto e de Coimbra, INMUNE, Aurora Negra, entre outros.

No mesmo dia há também uma concentração em Coimbra na Praça 8 de Maio, às 18h30, e em Beja, no centro, às 18h. Para sábado estão marcadas concentrações no Porto, na Avenida dos Aliados, às 16h, e em Braga, à mesma hora, na Avenida Central. A Frente Unitária Anti-fascista refere que se associou às manifestações.

Em comunicado divulgado na página de Facebook, a organização escreve: “Em menos de um ano, o actor Bruno Candé e o estudante Luís Giovani foram mortos por racistas e Cláudia Simões foi barbaramente espancada. Estas mortes e agressões são consequência da cumplicidade das políticas de Estado, nos seus discursos coniventes, nas suas práticas de reiteração e na sua recusa de criar leis de combate efectivo ao racismo. O racismo matou de novo, neste ano em que passam precisamente 25 anos do assassinato de Alcino Monteiro, às mãos de neonazis. Enquanto expressões como ‘preto vai para a tua terra’ e ‘é preto, mas...’ for discurso corrente, sem freio, nas trocas coloquiais, das ruas, às caixas de comentários e ao parlamento, o racismo matará. Enquanto o Estado fingir que Portugal é um país étnica e culturalmente homogéneo, que não vê cores e que não há discriminação em função da pertença étnico-racial, o racismo matará.”

Acrescentam: "Exigimos justiça por Bruno Candé e por todos e todas que foram assassinados e violentados pelo racismo estrutural. Exigimos que os filhos de Bruno Candé, agora órfãos de pai, tenham do Estado todo o apoio para que possam reconstruir as suas vidas sem privação que não seja a do seu pai.​”

Bruno Candé “foi alvejado à queima-roupa”. O assassinato ocorreu em plena Avenida de Moscavide, no sábado, alegadamente por um homem de 76 anos que foi constituído arguido e está em prisão preventiva, por homicídio qualificado e posse de arma ilegal. O actor era casado e tinha três filhos menores. Na quarta-feira, vários comerciantes da zona ouviram Bruno Candé ser alvo de insultos racistas proferidos pelo arguido, que terá também ameaçado matá-lo. Uma testemunha ouviu: ““Tenho armas do Ultramar e vou-te matar” e mais insultos como “‘Preto do c******, vai para a tua terra!’, coisas que ouvimos chamar normalmente.”  

Também na terça-feira, o grupo Acção Cooperativa — Artistas, Técnicos e Produtores, uma entidade que surgiu na área da cultura, em contexto de resposta à crise provocada pela pandemia, colocou online uma petição na qual exige ao Governo a disponibilização de um subsídio vitalício para a família de Bruno Candé. Estão também a ser recolhidos donativos para a organização do funeral e para ajudar os filhos de sete, cinco e quatro anos. 

O actor iniciou o percurso no grupo de teatro da Casa Pia e frequentou posteriormente a formação do Chapitô, onde participou em vários espectáculos.

Bruno Candé trabalhava, desde 2011, com a Casa Conveniente, de Mónica Calle, onde participou no espectáculo “A Missão -- Recordações de uma Revolução”, de Heiner Müller, que foi distinguido com o prémio de Melhor Espectáculo do Ano, em 2012, pela Sociedade Portuguesa de Autores. O actor também fez parte do elenco de várias telenovelas, como a Única Mulher, da TVI.

Notícia corrigida: ao contrário do que se escrevia não é a Frente Unitária Anti-fascista a organizadora do evento.

Sugerir correcção