MIGUEL A. LOPES/Lusa
Foto
MIGUEL A. LOPES/Lusa

Uma “aula” na rua para lembrar que o combate à crise climática não pode ser ignorado

Grupo de jovens protestou em frente ao Parlamento por mais acção climática e mais investimento por parte do Governo em medidas “verdes” para o país.

Cerca de 30 jovens assistiram esta sexta-feira, em frente ao Parlamento, a uma “aula” sobre transição energética, um acto simbólico promovido por várias organizações para lembrar o Governo que o combate à crise climática não pode ser ignorado na pandemia.

Sentados no pavimento ou em almofadas, com as devidas distâncias, os “alunos”, com máscaras, ouviram a “lição” dada por um “professor” e uma “professora” e, no final, mostrando que tinham a lição bem aprendida, apresentaram propostas para uma “transição justa”, como “transportes limpos e gratuitos” e o uso de mais energias renováveis.

A encerrar a “aula”, e num recado ao Governo, a “professora” reclamou rapidez nas medidas, ironizando que a meta da “neutralidade carbónica até 2030” tem de ser “para ontem”. 

A iniciativa, que decorreu em frente à escadaria da Assembleia da República, sob o olhar de quatro polícias, foi promovida por vários movimentos e organizações cívicos e ambientais, incluindo Greve Climática Estudantil e Climáximo, e insere-se na semana “DescontamiAcção”, que visa protestar contra a “inércia governamental” na resolução da crise climática durante a pandemia da covid-19.

PÚBLICO -
Foto
Miguel A. Lopes/Lusa

Além de Lisboa, foram dadas “aulas públicas” sobre “transição energética e recuperação económica socialmente justas” em Guimarães, Caldas da Rainha e em diversas localidades do Algarve.

Justificando a acção simbólica, Andreia Galvão, membro da Greve Climática Estudantil, disse à Lusa que, tal como se enfrentou a “crise da covid-19”, devia “ter sido enfrentada a crise climática”, com o Governo a “apresentar propostas reais”, como o “fim da expansão do aeroporto” de Lisboa, que “põe em causa a preservação ambiental e a neutralidade carbónica”.

Em vez disso, segundo a jovem activista, o Governo nomeou como consultor o presidente da petrolífera Partex, António Costa Silva, para elaborar o plano de recuperação económica do país, que defende a construção de um novo aeroporto para a Área Metropolitana de Lisboa.

Para Mafalda Gomes, uma das participantes da “aula aberta” em Lisboa, a pandemia da covid-19 “veio revelar que a questão das alterações climáticas não é uma preocupação de nenhum governo”, ao acentuar "a urgência da produção, do consumo, do fazer dinheiro” para recuperar a economia.

PÚBLICO -
Foto
Miguel A. Lopes/Lusa

“O futuro está a ser ignorado em termos de sustentabilidade”, critica.

Para 25 de Setembro, os jovens prometem voltar às ruas do país, numa nova manifestação pela “acção climática”.

Sugerir correcção