O mega “mundo do vinho” de Gaia abre a 31 de Julho

O World of Wine é um quarteirão na zona histórica de Gaia, mas com uma praça no coração. A contorná-lo, cinco museus e oito restaurantes e bares. A restauração abre dia 31, o espaço de 35 mil metros quadrados abre-se a visitas a 1 de Agosto.

historia,vinhos,douro,fugas,porto,turismo,
Foto
O projecto do World of Wine à frente do Yeatman DR

Quando o Sol se puser na sexta-feira, dia 31 de Julho, um espectáculo de video-mapping vai iluminar um “canto” da zona histórica de Vila Nova de Gaia: esse será o momento simbólico da abertura de um “novo” quarteirão. Chama-se World of Wine (WOW – escusamo-nos ao trocadilho óbvio) e a sua inauguração oficial fica prometida para Setembro ou Outubro, revela-nos o director-executivo, Adrian Bridge. Sim, a “culpa” é do SARS-CoV-2. “Hoje em dia só podemos fazer eventos para 20 pessoas”, assinala, “e um investimento de 105 milhões de euros justifica algo mais do que um jantar para 20 pessoas”.

Por enquanto, assinalem-se as 19 horas de 31 de Julho para abertura oficial de portas (da vertente de restauração) de um espaço de 35 mil metros quadrados, de filiação claramente vínica (até no ADN dos edifícios, antigas caves), mas ambição vasta. Cercado de caves de vinho do Porto, mas o WOW apresenta-se como uma espécie de concentrado do melhor do Porto e do Norte de Portugal e exibi-lo-á em quatro espaços museológicos e seis restaurantes e bares, lojas e galeria (por enquanto, porque esta vai ser uma abertura faseada).

PÚBLICO - World of Wine
World of Wine DR
PÚBLICO - World of Wine
World of Wine DR
Fotogaleria
DR

É de experiências que o director-executivo do WOW, Adrian Bridge, fala quando se refere à oferta cultural e de restauração do novo espaço de 35 mil metros quadrados, com assinatura da The Fladgate Partnership (a mesma da Taylor’s e hotel The Yeatman, por exemplo). “Com as experiências pretendemos destacar o potencial da região”, afirma o responsável, porque “há um enorme know-how que devemos valorizar”.

E é aí que o “mundo do vinho” transcende o seu nome: além do vinho (na Wine Experience e na The Bridge Collection, a colecção privada de Adrian Bridge de copos e taças de vinho, mais de mil, com exemplares que atravessam vários períodos da história desde o ano 7000 a.C.), terá outras áreas em que “a região é especialista”, como a cortiça (no Planet Cork) e a indústria têxtil e a moda (no Porto Fashion & Fabric Museum).

PÚBLICO -
Foto
Porto region across the ages (projecto) DR

Para além disso, o WOW vai proporcionar um mergulho no mundo do chocolate (no Chocolate Story, que termina numa verdadeira fábrica de chocolate) – além de uma revisão da história da cidade (Porto Region Across The Ages).

A partir de sábado, dia 1 de Agosto (10h), estes espaços museológicos também estão abertos ao público, com excepção do Planet Cork - “abrirá provavelmente a 8 de Agosto” – e do Porto Fashion & Fabric Museum – “estava planeado para abrir em Novembro, mas provavelmente abrirá em Outubro”, calcula Adrian Bridge. Também em Outubro deverá abrir portas a Escola de Vinho, que até já está pronta desde Janeiro. “Foi o primeiro espaço concluído”, sublinha, mas os constrangimentos decorrentes da situação de pandemia levaram à alteração de planos.

PÚBLICO - Planet Cork (projecto)
Planet Cork (projecto) DR
PÚBLICO - The Chocolate Story (projecto)
The Chocolate Story (projecto) DR
Fotogaleria
DR

“Temos três audiências distintas”, explica o director-executivo: os turistas, “que vêm fazer um curso de duas horas que inclui almoço; o mercado nacional de cidade, para o qual haverá “cursos à noite, de um ou dois dias” (e estes deverão avançar em Outubro); o especializado, “com possibilidade de certificação profissional pela Wine & Spirit Education Trust”. E a verdade, continua o responsável, é que a Fladgate Parternership não acredita “que o mercado nacional queira a oferta turística, pelo preço”.

Na verdade, “o projecto inicialmente foi, sobretudo, orientado para o mercado turístico, com mais dinheiro”, assume Adrian Bridge. Com a pandemia a trocar as volta – “realisticamente, esperamos mercado nacional, da Galiza e alguns estrangeiros” –, veio uma “parte positiva”: “Durante uma janela relativamente pequena, até ao final de 2020, o preço de entrada reduziu-se de 30 para 20 euros”. “São cinco meses para visitar, ter as experiências e provar vinhos no nosso espaço.”

Estas “experiências” são de acesso pago, ao contrário do resto do quarteirão, onde serão nove os espaços de restauração – de carne a peixe, passando por vegetariano, refeições rápidas, sobremesas, e, claro bar de vinho, sem esquecer “o topo de gama”, “1828”. 

Por enquanto, devido ao contexto pandémico, não abrirão todos, nem haverá eventos a decorrer na praça: “a boa notícia”, sublinha o director-executivo, “é que no WOW há muito espaço na praça”. São dois mil metros quadrados de esplanada, “com muito espaço entre as mesas e que permite que cada uma tenha vista sobre a zona histórica e sobre o Porto”. Aliás, acrescenta, “esta talvez seja a melhor vista sobre o Porto”. E, todos os dias, às 19h, haverá video-mapping a animá-la (ainda) mais.

Site: World of Wine

Sugerir correcção