Ípsilon

Rui Vieira Nery

“Amália pegou no fado e manipulou-o à sua imagem e semelhança”

No centenário oficial do nascimento da grande diva da canção nacional, o musicólogo diz-nos que não basta amar Amália, é preciso pensá-la. Acredita também que, enquanto o fado existir, o seu legado não se apagará.