“Presa como um canário”, Vivienne Westwood encena protesto em Londres por Assange

Criadora de moda manifestou o seu apoio ao australiano acusado pelos EUA de conspiração para piratear computadores governamentais e por espionagem.

Fotogaleria
“Eu sou Julian Assange”, disse a criadora de moda LUSA/NEIL HALL
wikileaks,eua,moda,design,julian-assange,reino-unido,
Fotogaleria
LUSA/NEIL HALL
wikileaks,eua,moda,design,julian-assange,reino-unido,
Fotogaleria
LUSA/NEIL HALL
wikileaks,eua,moda,design,julian-assange,reino-unido,
Fotogaleria
LUSA/NEIL HALL
wikileaks,eua,moda,design,julian-assange,reino-unido,
Fotogaleria
LUSA/NEIL HALL
Fotogaleria
LUSA/NEIL HALL
Fotogaleria
Reuters/PETER NICHOLLS
Fotogaleria
Reuters/PETER NICHOLLS
Julian Assange
Fotogaleria
Reuters/PETER NICHOLLS
Vivienne Westwood
Fotogaleria
Reuters/PETER NICHOLLS
Fotogaleria
Reuters/PETER NICHOLLS
Fotogaleria
Reuters/PETER NICHOLLS
Fotogaleria
Reuters/PETER NICHOLLS
Fotogaleria
Reuters/PETER NICHOLLS
Vivienne Westwood
Fotogaleria
Reuters/PETER NICHOLLS
WTAQ
Fotogaleria
Reuters/PETER NICHOLLS

Vestida de amarelo e trancada numa gaiola gigante à frente do tribunal londrino de Old Bailey, Reino Unido, a designer Vivienne Westwood encenou, esta terça-feira, um protesto de apoio ao fundador do WikiLeaks Julian Assange que está a lutar contra a extradição do país para os Estados Unidos.

“Eu sou Julian Assange”, disse a criadora de moda, acrescentando: “Eu sou o canário na gaiola. Se eu morrer na mina de carvão devido ao gás venenoso, esse ‘é o sinal'”. “Libertem Assange”, gritou.

Assange é procurado pelas autoridades norte-americanas para ser julgado por 18 delitos, incluindo conspiração para piratear computadores governamentais e espionagem. No ano passado, os Estados Unidos iniciaram o processo de extradição depois de Assange ter sido detectado na embaixada do Equador em Londres, onde esteve escondido durante quase sete anos.

Assange fez manchetes internacionais no início de 2010, quando o WikiLeaks publicou um vídeo militar confidencial dos EUA mostrando um ataque de 2007 por helicópteros Apache em Bagdad, no Iraque, que matou uma dúzia de pessoas, incluindo dois jornalistas da Reuters.

Para alguns, Assange é um herói por expor o que os apoiantes lançaram como abuso de poder pelos Estados modernos e por defender a liberdade de expressão. Mas, para outros, é um rebelde perigoso que tem minado a segurança dos EUA.

Sugerir correcção