coronavirus,amadora,saude,sociedade,servico-nacional-saude,virus,
Fotogaleria
coronavirus,amadora,saude,sociedade,servico-nacional-saude,virus,
Fotogaleria
coronavirus,amadora,saude,sociedade,servico-nacional-saude,virus,
Fotogaleria
coronavirus,amadora,saude,sociedade,servico-nacional-saude,virus,
Fotogaleria
Netbook
Fotogaleria
Reportagem

“Nunca abandonamos ninguém.” Se tiver um teste positivo “fica na lista até conseguirmos contactar”

A Amadora é um dos cinco concelhos da Área Metropolitana de Lisboa que se mantém em estado de calamidade. A equipa de saúde pública tem uma média de 35 novos casos por dia, mas já chegaram a ter uma média de 50.

O nome é fictício, mas mostra bem os desafios que, por vezes, se colocam às equipas de saúde pública. Foram precisos dois dias para que o médico da equipa da Amadora chegasse a “Maria”, depois de confirmado o teste positivo à covid-19. Se não o tivessem conseguido, Maria faria parte da lista de 20 doentes incontactáveis que a unidade mantém desde o início da pandemia. “Nunca abandonamos ninguém. Se for positivo, fica na lista até conseguirmos contactar, porque não sabemos o que lhe aconteceu”, explica Etelvina Calé, um dos cinco delegados de saúde pública da Amadora.