Esta Tasca é Virtual e abre uma vez por semana só para o fado

Às quartas, abre em directo no Facebook. Um copo de vinho na mão, guitarras e vozes afinadas. Na página, ficam as memórias.

cultura,fado,internet,fugas,musica,facebook,
Fotogaleria
Virtual Tasca Nuno Ferreira Santos
cultura,fado,internet,fugas,musica,facebook,
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
cultura,fado,internet,fugas,musica,facebook,
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
cultura,fado,internet,fugas,musica,facebook,
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Violão
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Violão
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos

Chamaram-lhe Virtual Tasca porque é isso mesmo: é uma tertúlia que, em tempo de pandemia, acontece no Facebook. Um grupo de amigos fadistas reúne-se todas as quartas-feiras à noite num espaço de tertúlia em Fernão Ferro – onde, antes da covid-19, já se fazia um encontro informal de fadistas –, com a diferença de que agora querem chegar a milhares de pessoas.

Começaram com alguns (ainda poucos) apoios, mas esperam vir a conseguir mais. Se “isto está para durar”, como dizem, e as casas de fado estão a menos do que meio gás, usar a Internet para conquistar um público virtual pode ser um caminho.

Às 21h a transmissão começa, por isso os amigos tomam os seus lugares habituais. Atrás deles, as paredes estão cheias de guitarras, violas, cartazes de outras tertúlias, muitas fotografias de gente do fado. À frente, uma mesa baixa onde uma família de cães de louça tem vindo a crescer. João Loy, Tiago Simões, Pedro Galveias, Sandro Costa e Ivan Cardoso preparam-se para uma noite de conversas animadas, num ambiente descontraído, com uma cerveja ou um copo de vinho na mão – e muito fado, claro.

Têm sempre um convidado e, nesta noite que acompanhámos, é Diogo Clemente quem se junta a eles. Como é que vieste para o fado?, perguntam-lhe à laia de entrevista. “Eu não vim para o fado, nasci cá”, responde o músico, comovido. “Não me lembro de não andar nos fados. As pessoas que me conhecem de outros âmbitos não sabem que eu vim daqui, de nós, por isso é que faz sentido estar aqui. Todas as pessoas que estão aqui são família minha. O que está aqui a acontecer é de onde eu vim, é a minha casa, e tudo o que eu faço é influenciado por aqui. O fado é que me deu tudo, é a matriz com que faço tudo.”

A ideia da Virtual Tasca nasceu da forma mais óbvia, conta Pedro Galveias. “Um dia estava em casa sem trabalho, ninguém tinha trabalho – ninguém tem trabalho  –  e disse à Cátia [Garcia, a mulher e também fadista] ‘e se a gente fizesse uns vídeos e puséssemos um pagamento por MBWay?’”. A possibilidade de pôr trabalhos de graça na Internet estava fora de questão. “Nós não temos que dar a nossa arte, é disto que vivo, como qualquer profissão”, sublinha Pedro.

Um dos músicos tinha o espaço da tasca-adega das tertúlias e esse pareceu-lhes o local certo. Depois foi só arranjar os patrocínios iniciais – “não chegam para muito mas estamos-lhes eternamente gratos”, diz Cátia – e lançar a Virtual Tasca, esperando que o número de visualizações cresça e que as pessoas compreendam a necessidade de pagar pelo espectáculo. “Hoje já temos alguns restaurantes que nos contratam para fazermos a tertúlia num espaço fechado, e vamos fazendo, mas não queremos afastar-nos muito da casa-mãe para não desvirtuar a Tasca.”

“É muito importante estarem a fazer isto e terem apoios”, elogiou Diogo Clemente. Há muita gente desesperada porque a música não acontece. Quer-se fazer as coisas acontecer e não se sabe como. Todos estamos a tentar arranjar soluções, mas este é o formato em que neste momento as coisas devem acontecer.”