Área balnear em barragem de Castro Marim só fica pronta no fim do ano

A sua conclusão esteve prevista para antes do verão, mas essa meta foi ultrapassada devido às dificuldades na aprovação final do projecto nos primeiros dois anos de mandato autárquico.

Foto
Adriano Miranda / PUBLICO

O Centro Náutico da Barragem de Odeleite vai estar concluído até final do ano, depois de o projecto ter sido recuperado e financiado com um empréstimo do Banco Europeu de Investimento, disse nesta terça-feira a vice-presidente da Câmara de Castro Marim.

Os trabalhos vão permitir a construção de uma estrutura com piscinas e um conjunto de apoios para que a principal barragem do sotavento algarvio tenha uso balnear.

A sua conclusão esteve prevista para antes do verão, mas essa meta foi ultrapassada devido às dificuldades na aprovação final do projecto nos primeiros dois anos de mandato autárquico, quando a Câmara de Castro Marim perdeu a maioria absoluta do PSD, recuperada em 2019 após a realização de eleições intercalares, justificou a vereadora Filomena Sintra.

Ao recuperar a maioria absoluta, o PSD lançou um novo concurso, pediu um empréstimo de cerca de 400 mil euros ao Banco Europeu de Investimento para financiar a comparticipação nacional da obra, que tem um custo total de 700 mil euros, e entregou os trabalhos a um novo empreiteiro, depois de, na primeira metade do mandato, a oposição PS e o Movimento Castro Marim Primeiro ter impedido a sua execução como inicialmente previsto, explicou Filomena Sintra.

“A obra está a decorrer normalmente, dentro dos prazos contratuais, depois de uma prorrogação de trabalhos, que ocorreu dentro dos trâmites legais. Pensamos terminar a obra até final do ano, haja água para conseguir instalar as piscinas na estrutura que as vai amarrar”, afirmou Filomena Sintra à agência Lusa, referindo-se à necessidade de a barragem ter um determinado nível de água para a estrutura poder funcionar.

Filomena Sintra recordou que a “obra foi chumbada pela oposição em Dezembro de 2017” ao ser “recusada na câmara a adjudicação definitiva” e, quando a aprovação foi conseguida, já depois das eleições intercalares, “o empreiteiro já não necessitava de manter a proposta”, porque “já tinham passado 266 dias” do prazo legal previsto para esse efeito.

“Àquela data, [o empreiteiro] já nos exigia mais cerca de 200 mil euros para fazer a obra. Nesse pressuposto, não entrámos em negociação e fizemos foi um novo concurso, que acabou por ser ganho por outro empreiteiro, mas com uma obra mais cara, com os atrasos todos que daí decorreram e com a perda também da possibilidade de reforço de fundos comunitários para a obra”, lamentou.

Filomena Sintra disse que a maioria absoluta do PSD saída das eleições intercalares de 2019 conseguiu, entretanto, obter “um empréstimo do Banco Europeu de Investimento para a contrapartida nacional”, operação que, segundo a vereadora, terá “custos financeiros irrisórios” para o município, ao pagar “20/30 mil euros por ano, durante 15 anos”.

“A obra custou muito mais e o tempo não nos permitiu ter o reforço na prioridade de investimento 6.1 do Programa Operacional regional, porque, entretanto, entrou em overbooking”, justificou.

Filomena Sintra adiantou que, além das piscinas, a intervenção vai “criar redes de águas residuais e de electrificação, casas de banho, áreas de apoio e de sombreamento, caixa com areia para simular a parte da praia e escadarias”, alavancando também “um projecto privado, conexo àquele e dentro das actividades náuticas”.

A vereadora garantiu que a autarquia está a trabalhar para recuperar as “oportunidades perdidas e os projectos em vias de perder” devido aos impasses criados durante a primeira metade do mandato, mas reconheceu que pode “não haver capacidade para recuperar todos”, porque os técnicos e os funcionários municipais não se podem dedicar a novos projectos enquanto reformulam os do passado.