Covid-19: Hungria veta entrada a africanos e asiáticos. Portugueses só entram após quarentena

Budapeste lança lista de países “vermelhos” e “amarelos” para se proteger do novo coronavírus. Países africanos e asiáticos ficam todos de fora.

mundo,portugal,uniao-europeia,viktor-orban,hungria,europa,
Foto
Orbán assumiu um controlo ainda mais apertado do país com a pandemia Bernadett Szabo/Reuters

A Hungria impôs novas restrições à entrada de cidadãos estrangeiros, criando um sistema de países “vermelhos” e “amarelos”. Os primeiros estão completamente proibidos de cruzar as suas fronteiras e os segundos, entre os quais está Portugal, terão de submeter a testes na fronteira e a entrar em quarentena durante 14 dias.

Os cidadãos húngaros que regressem desses países serão submetidos, a partir de quarta-feira, a quarentena e testados. Só o poderão evitar se tiverem dois testes de despistagem do novo coronavírus negativos, feitos nos cinco dias anteriores.

Para os estrangeiros, no entanto, não haverá tolerância no país de Viktor Orbán, anunciou o seu chefe de gabinete, Gergely Gulyas. “Estas regras servem para proteger a nossa liberdade”, explicou, citado pela Reuters. “Estamos a ver sinais preocupantes de aumento do número de casos em países vizinhos, na Europa e no resto do mundo”, justificou. 

Na lista “vermelha” estão países balcânicos, como Albânia, Kosovo, Montenegro e Ucrânia, bem como todos os países africanos e asiáticos, à excepção da China e do Japão, diz o Guardian.

Entre os países “amarelos” estão Portugal, Bulgária, Sérvia, Roménia, Rússia, Suécia e Reino Unido, por exemplo. No entanto, a lista dever ser actualizada regularmente.

A Hungria, que tem uma população de dez milhões, registou até ao momento mais de quatro mil casos confirmados e 595 mortes, de acordo com a contagem da americana Universidade Johns Hopkins. 

No início da pandemia, o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, assumiu poderes plenipotenciários, que lhe foram atribuídos pelo Parlamento no final de Março para combater a covid-19, que manteve até Junho. A luta contra a doença incluiu a detenção de quem criticou o primeiro-ministro nas redes sociais.

A Comissão Europeia abriu uma investigação à aplicação do estado de emergência na Hungria. 

Sugerir correcção