Dívida pública mundial atingirá pico histórico em 2020

Gita Gopinath e Vítor Gaspar defendem contudo que governos devem evitar reduzir os gastos muito depressa, devido ao risco de comprometerem a recuperação económica.

financas-publicas,conjuntura,economia,defice,divida-publica,fmi,
Foto
Gita Gopinath, economista-chefe do FMI rui Gaudencio

A dívida pública mundial vai atingir um nível inédito este ano, representando 101,5% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial, mais do que no fim da Segunda Guerra Mundial, afirmam responsáveis do FMI num artigo divulgado esta sexta-feira.

Gita Gopinath, economista-chefe, e Vítor Gaspar, director do departamento de Finanças Públicas e ex-ministro das Finanças, defendem, no entanto, num artigo publicado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), que os governos devem evitar reduzir os gastos muito depressa, devido ao risco de comprometerem a recuperação económica.

“Embora a trajectória da dívida pública possa continuar num cenário desfavorável, um ajustamento orçamental demasiado precoce apresenta um risco ainda maior de comprometer a retoma, com custos orçamentais futuros mais importantes”, escrevem.

Para os dois economistas, a equação é difícil, dado que para os governos se trata de estimular as economias afectadas pela crise sanitária sem que as suas dívidas se tornem insustentáveis.

No total, os governos gastaram perto de 11 biliões de dólares em ajudas a famílias e empresas afectadas pela paralisação económica que resultou do confinamento decretado para conter a pandemia de covid-19.

Nesta altura, “muitos governos aproveitam os níveis historicamente baixos dos custos de empréstimos” e as taxas de juro devem permanecer nesses níveis “durante bastante tempo”, notam Gita Gopinath e Vítor Gaspar, ex-ministro das Finanças português.

O FMI prevê uma estabilização da dívida pública mundial em 2021, com excepção dos Estados Unidos e da China, mas pede prudência.

“Há uma diversidade nos níveis de dívidas e nas capacidades financeiras dos países”, referem, numa altura em que a incerteza quanto às projecções económicas continua a ser grande.

Os dois responsáveis do FMI defendem que “é essencial encontrar o caminho do equilíbrio orçamental sustentável nos países que entraram nesta crise já com uma dívida elevada e um crescimento fraco”.

A médio prazo, os governos devem adoptar “um plano orçamental credível”, que pode, por exemplo, aproveitar uma maior mobilização de recursos “reduzindo ao máximo a evasão fiscal” ou introduzindo uma tributação mais alta do carbono.

Sugerir correcção