A tele-existência durante a pandemia retratada por Casuar: em Live on tape

O nome Casuar: (assim mesmo, com dois-pontos como remate) identifica o projecto do multi-instrumentista e compositor Rui Rodrigues. Nascido em Castelo Branco, é para além de músico também sócio fundador do Clube do Capitão Leitão (estúdio musical nascido em Marvila, em Lisboa) e técnico de som. Em 2014, depois de quatro discos editados e cerca de duas centenas de concertos em Portugal e na Europa com bandas como os Dazkarieh, Rui lançou o projecto Casuar: como one man band (tocando todos os instrumentos) e Live on tape é o seu videoclipe mais recente. Tema? A pandemia e o confinamento. Sintetizados em versos como estes: “Planos C, D, E/ quantos mais houvesse até,/ ninguém antecipava/ o golpe que flagrava// e o mundo em contrapé.” Ou: fecha o ensino, fecha o retalho/ telescola, teletrabalho/ isolamento: televivências/ tédio: telexperiências/ telesmola, telebandalho// Live on tape, agora é live on tape.”

Na sua página de Facebook, Casuar:/Rui Rodrigues indica como influências os LCD Soundsystem, Tune-Yards, Arcade Fire, the Black Keys, Feist, Radiohead ou Animal Collective e como afiliações Dazkarieh, Voodoo Marmalade, LOT e Uxu Kalhus. No YouTube tem vários videoclipes publicados, como Cruz que eu carrego, Bla bla bla (lyric video) ou Beto desalinha (do LP homónimo de 2019), este assinado por Casuar: e as Aves Raras e gravado ao vivo no CCL, o Clube do Capitão Leitão.

Sugerir correcção