Metro quadrado da habitação já custa mais de 1500 euros em 19 municípios do país

Preço médio da habitação aumentou 3,3% a nível nacional no primeiro trimestre de 2020. Lisboa tem o preço mais elevado do país: 3333 euros o metro quadrado

habitacao,instituto-nacional-estatistica,economia,lisboa,imobiliario,
Foto
Nuno Ferreira Santos

Já há 19 municípios a nível nacional que registaram no primeiro trimestre de 2020 um preço médio por metro quadrado de habitação superior aos 1500 euros.

O Instituto Nacional de Estatística acaba de divulgar os preços locais da habitação no qual apurou uma média nacional de 1117 euros o metro quadrado  (€/m2), o que significa um aumento de 3,3% relativamente ao trimestre anterior e de 10,5% relativamente ao trimestre homólogo.

Estes valores ainda não reflectem o impacto que pode ter sido provocado pela pandemia do covid-19, mas são um bom ponto de partida para verificar, posteriormente, onde é que os efeitos da situação epidemiológica mais se fizeram sentir em termos de transacções de habitação.

De acordo com o INE, no primeiro trimestre de 2020 o preço mediano da habitação manteve-se acima do valor nacional nas regiões do Algarve (1668 euros/m2), na Área Metropolitana de Lisboa (1515 euros/m2), na Região Autónoma da Madeira (1250 euros/m2) e a Área Metropolitana do Porto (1136 euros/m2 ).

Lisboa é o município onde há maior amplitude de preços e também aquele que registou o preço mediano mais elevado do país, atingindo os 3333 euros/m2.

Se há já 46 municípios que, em todo o país, registam valores acima da média nacional, é de realçar que são já 19 os municípios que registam preços médios acima dos 1500 euros por metro quadrado.

Para além de Lisboa, destacam-se ainda Cascais (2681 euros/m2), Oeiras (2257 euros/m2), Loulé (2221 euros/m2), Lagos (1967 euros/m2), Albufeira (1939 euros/m2), Porto (1873 euros/m2), Tavira (1864 euros/m2), Odivelas (1847 euros/m2), Loures (1672 euros/m2), Faro (1663 euros/m2), Funchal (1621 euros/m2), Vila Real de Santo António (1594 euros/m2), Aljezur (1592 euros/m2), Lagoa (1591 euros/m2), Almada (1576 euros/m2), Amadora (1563 euros/m2), Silves (1528 euros/m2) e Matosinhos (1520 euros/m2). São estes os municípios em que é mais caro comprar uma habitação. 

O boletim com as estatísticas dos preços locais da habitação faz sempre uma análise mais detalhada às sete cidades com maior densidade populacional, e é essa análise que permite detectar que o município de Braga continua a ser é o único do país que, tendo mais de cem mil habitantes, consegue apresentar um preço de habitação por metro quadrado inferior à média nacional, registando um valor médio de 971 euros/m2.

No caso das cidades com mais de 200 mil habitantes, como Lisboa e Porto, o INE centra a análise ao nível da freguesia. Aí, conseguimos perceber que o nível médio da cidade de Lisboa continuava a crescer (fixando-se nos 3333 euros/m2), mas que houve freguesias onde houve uma descida de preço – as freguesias de São Vicente, Carnide e Campolide.

Três freguesias de Lisboa acima de 4500 euros/m2

Tal como em trimestres anteriores, há três das 24 freguesias da cidade de Lisboa que continuam a registar preços acima dos 4500 euros/m2.

São elas a freguesia de Santo António, que inclui a Avenida da Liberdade e áreas adjacentes, e que registou um preço mediano de 5340 euros/m2 ; a freguesia da Misericórdia, que inclui a área do Bairro Alto e do Cais do Sodré, com  o valor de 5112 euros/m2; e a freguesia de Santa Maria Maior, que inclui a área do Castelo e a Baixa/Chiado e que chegou aos 4807 euros/m2.

Subida foi de 11,4% no Porto

No caso do Porto, o valor médio das sete freguesias que compõem a cidade foi de 1873 euros/m2, desenhando uma subida de 11,4% face ao trimestre homólogo. A freguesia mais cara onde comprar casa na cidade do Porto continua a ser a união de freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde, com um preço de 2593 euros/m2.

A freguesias onde houve um aumento mais expressivo em termos homólogos foi na freguesia de Paranhos, que cresceu 19,3% face ao primeiro trimestre de 2019, mas que continua ainda abaixo da média registada na cidade: e regista agora um preço mediano de 1699 euros/m2.

Houve ainda aumentos expressivos nas freguesias do Bonfim, que subiu 16,9%, e na União de freguesias de Lordelo do Ouro e Massarelos, que aumentou 16,2%.

Estas duas freguesias registam agora um preço mediano de 1934 euros/m2, no caso do Bonfim, e de 2241 euros/m2, no caso de Lordelo do Ouro e Massarelos. A freguesia da Campanhã continua a registar o menor preço mediano da cidade do Porto, com 1208 euros/m2.

Sugerir correcção