Supremo usou sorteios manuais para distribuir processos até às férias da Páscoa

Auditoria detecta 12 processos distribuídos manualmente sem base legal em duas Relações, mas não indícios de ilícitos. Práticas diferentes vão ser uniformizadas.

,Crime
Foto
Francisco Romao Pereira

A auditoria realizada por um juiz do Supremo à distribuição manual dos processos nos tribunais superiores, decretada na sequência das suspeitas de viciação na distribuição de três casos decididos na Relação de Lisboa investigados no âmbito da Operação Lex, não detectou mais qualquer indício criminal de manipulação na forma como foram seleccionados os magistrados de quase sete mil processos.