“Não podemos correr o risco de importarmos covid-19 de países terceiros”

Fabrice Leggeri, director executivo da Frontex, a Agência Europeia de Fronteiras e Guarda Costeira, defende a renovação e alargamento de meios deste organismo, mesmo com a diminuição da crise migratória. O trabalho da agência, diz, vai muito além dessa área e a covid-19 alertou para a necessidade de garantir a segurança sanitária nas fronteiras externas da UE.

refugiados,imigracao,mundo,uniao-europeia,libia,grecia,
Foto
Fabrice Leggeri é o presidente executivo da Frontex desde 2015 DR

A Frontex, a Agência Europeia de Fronteiras e Guarda Costeira está em processo de mudança e prepara-se para se tornar a primeira força uniformizada da União Europeia. Entre os novos elementos há 30 portugueses já em formação. O director executivo da agência, Fabrice Leggeri, diz que a pandemia da covid-19 trouxe novos desafios e defende que o controlo das fronteiras externas da UE terá de ser cada vez mais eficiente. Entre as medidas previstas para os próximos anos está a introdução de uma autorização electrónica de entrada no território para 61 países que não necessitam de visto e que deverá entrar em vigor em 2022.