Vem aí um biopic sobre Brian Epstein, o “quinto Beatle”

Midas Man será “uma digressão pela mente” do empresário musical que mudou a carreira (e o visual) da banda de Liverpool. O filme deverá chegar aos cinemas em 2021.

paul-mccartney,john-lennon,beatles,cinema,culturaipsilon,musica,
Foto
Os incontornáveis fatos e penteados dos Fab Four no início dos anos 60 foram ideias de Epstein John Rodgers / Redferns

O realizador sueco Jonas Åkerlund está a fazer um biopic sobre Brian Epstein, o empresário musical que ganhou um lugar cativo na história da pop ao descobrir os Beatles, adiantou esta quinta-feira a Variety. Uma grande parte de Midas Man será filmada em Liverpool, a cidade-berço de John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr, e o filme deverá estrear-se nas salas de cinema em 2021.

“O Brian Epstein é um dos homens mais extraordinários do século XX”, contou o produtor do projecto, Trevor Beattie, ao britânico The Guardian. Personalidade “à frente do seu tempo”, o empreendedor é até hoje conhecido como “o quinto Beatle” devido ao papel decisivo que assumiu no início do percurso musical da banda – e na mudança de visual que marcou uma geração.

Essa parceria histórica, sublinha Beattie, começou no Cavern Club, o hoje mítico bar de Liverpool onde os Beatles fizeram muitas das suas primeiras apresentações ao vivo. “O Brian viu quatro rapazes com casacos de couro, a beber e a fumar em palco, ou aos insultos. Não havia músicas Lennon-McCartney na altura. Tocavam covers do Chuck Berry e do Little Richard. O Brian viu o potencial. Pôs-lhes uns fatos e transformou o desalinho naquele clássico look dos Beatles, com o corte à tigela e tudo”, explica o produtor do filme.

Gay numa altura em que a homossexualidade era ilegal”, segundo Beattie, visionário criador de “uma cultura que não existia”, segundo o realizador Jonas Åkerlund, o enigmático Epstein – que, antes dos Beatles, nunca tinha tido qualquer tipo de experiência de gestão de carreiras musicais – foi o responsável por juntar o quarteto ao produtor George Martin, o arquitecto sonoro que colaborou com a banda em cada um dos seus álbuns de estúdio – e também ele, por direito próprio, um justo detentor do título de “quinto Beatle”.

Dono de uma loja de discos, herdada dos pais, o empresário lançaria também as carreiras de nomes como Billy J. Kramer, Cilla Black ou Gerry & The Pacemakers antes de, em 1965, comprar o Saville Theatre, em Londres – que acolheria, por exemplo, concertos míticos de Jimi Hendrix. Epstein morreu em Agosto de 1967, aos 32 anos, vítima de uma overdose. “O Brian conheceu os Beatles em Novembro de 1961 e seis anos depois estava morto. É uma história trágica. Mas é também um triunfo do espírito humano porque, nesses curtos anos, ele mudou a cultura pop para sempre”, assinala Trevor Beattie.

PÚBLICO -
Foto
Epstein e os Beatles em 1965 Cummings Archives / Redferns

Jonas Åkerlund, que descreve Midas Man como “uma digressão pela mente” de Epstein, tem um currículo extenso em termos de colaborações com artistas musicais, tendo filmado vídeos e concertos de nomes como Ozzy Osbourne, Rolling Stones, Metallica, Jay-Z, Beyoncé, Taylor Swift ou os U2. O vídeo do tema Ray of light, assinado por Madonna em 1998, valeu-lhe um Grammy. O cineasta sueco também já trabalhou com um dos Beatles, Paul McCartney, realizando o espectáculo Live Kisses (2012).

Sugerir correcção