Festival Amadora BD não se realiza “nos moldes habituais” em 2020

Em comunicado oficial, a autarquia sublinha que está a planear “uma alternativa adequada e adaptada às circunstâncias actuais”.

amadorabd,amadora,bd,artes,culturaipsilon,banda-desenhada,
Foto
Ainda sem um plano concreto para este ano, o festival quererá celebrar o 90.º aniversário do mestre José Ruy e a banda desenhada produzida durante o período de pandemia DR

O Amadora BD — Festival de Banda Desenhada da Amadora, organizado desde 1989, não vai realizar-se “nos moldes habituais” em 2020 devido à pandemia de covid-19, anunciou hoje a autarquia local. “Todas as iniciativas que constavam da programação ficarão sem efeito, tendo por base as recomendações da Direcção-Geral da Saúde e da delegação de saúde do município”, referiu num comunicado divulgado nesta quinta-feira.

A Câmara da Amadora lembra que o Amadora BD, “um dos maiores acontecimentos no panorama cultural e artístico nacional no âmbito da banda desenhada”, acolhe anualmente “mais de 30 mil visitantes, oferecendo-lhes a oportunidade de usufruir de um núcleo de exposições variado, uma programação paralela diversificada, uma área comercial consolidada e sessões de autógrafos ou apresentações com autores e agentes especializados nacionais e internacionais”.

“A realização do evento nos moldes habituais”, alerta a organização, “estaria condicionada pela ausência de livre circulação e pelo comprometimento do bem-estar e do conforto de todos os visitantes, que esperam de uma iniciativa desta natureza a oportunidade de conviver com os autores que admiram, adquirir livros e objectos que coleccionam, aprender novas competências numa oficina, fruir da produção de banda desenhada numa exposição ou de uma curta-metragem de animação em família.”

Apesar dos constrangimentos impostos pelo novo coronavírus, ainda assim, e “face ao impacto da iniciativa na actividade artístico-cultural da cidade”, a autarquia considera “incontornável assinalar o Amadora BD”. Tendo isso em conta, a câmara está a planear “uma alternativa adequada e adaptada às circunstâncias actuais, nomeadamente com a comemoração do 90.º aniversário do mestre José Ruy e da produção de banda desenhada durante o período de pandemia”.

A mais recente edição do Amadora BD, a 30.ª, realizou-se entre 24 de Outubro e 3 de Novembro do ano passado e correspondeu a um momento de transição, com mudanças na direcção e no modelo de programação. O festival foi mais curto, sem um tema central, e as exposições concentraram-se todas no Fórum Luís de Camões. Houve menos prémios sobre o ano editorial e uma separação de júris para banda desenhada e ilustração.

Em Janeiro do ano passado, o então director do festival, Nelson Dona, demitiu-se do cargo que ocupava há 20 anos, justificando que o Amadora BD precisava de renovação. Ligado ao festival desde a primeira edição, e director desde 1999, Dona explicou que saía da direcção também por razões pessoais e por “não estar disponível para trabalhar nas mesmas condições”.

Sugerir correcção