Fábrica de máscaras FFP2 “nasce” em Alcácer do Sal para servir mercado interno

A fábrica vai começar a produzir em Agosto deste ano e poderá “tornar-se na única unidade do género em todo o país”.

covid19,coronavirus,alcacer-sal,local,saude,
Foto
rui gaudencio

Uma unidade de produção de máscaras FFP2 está a ser instalada em Alcácer do Sal, no distrito de Setúbal, num investimento português de 700 mil euros para servir o mercado interno, divulgaram nesta quarta-feira os promotores.

A fábrica, localizada na zona industrial em Castelo de Arêz, no concelho de Alcácer do Sal, vai começar a produzir em Agosto deste ano e poderá “tornar-se na única unidade do género em todo o país”, indicaram à agência Lusa os responsáveis da empresa.

“Vamos ser, possivelmente, a única fábrica com uma linha de produção de máscaras de protecção tipo FFP2 em Portugal e o material para este equipamento vai ser adquirido a uma empresa portuguesa que importa de vários sítios da Europa”, explicaram os investidores.

O projecto, que recebeu financiamento comunitário, na ordem dos 85 por cento, incluiu a aquisição de um armazém, a sua adaptação e a instalação de maquinaria “importada da China” para a produção de “50 mil máscaras a cada oito horas, se tiver matéria-prima suficiente”, adiantou a empresa.

As máscaras FFP2, indicam os responsáveis, “não têm plástico, nem respirador” e garantem “um nível de protecção de cerca de 90%”, sendo “considerado pela legislação, que está desactualizada, como equipamento de protecção individual (EPI)”.

“A nossa legislação está desadequada ao momento que atravessamos, com a pandemia de covid-19, porque estas máscaras não eram consideradas essenciais para os hospitais e neste momento são extremamente essenciais”, sublinhou.

Um dos desafios “será a exportação”, mas para já a produção será “para o consumo interno”, como clínicas e hospitais.

Sugerir correcção