Tríptico de Francis Bacon vendido por 75 milhões de euros

Inspirada na Oresteia de Ésquilo, a obra foi comprada na segunda-feira num leilão da Sotheby’s.

Foto
DR

Um tríptico de Francis Bacon (1909-1992) inspirado na Oresteia – uma trilogia de peças que o dramaturgo grego Ésquilo escreveu no século V a.C. – foi vendido na segunda-feira por 84,6 milhões de dólares (um pouco mais de 75 milhões de euros) num leilão sem público presencial organizado pela Sotheby’s.

Num leilão transmitido ao vivo em streaming a partir de uma sala londrina sem público, e com licitações exclusivamente telefónicas, a obra foi adquirida por um comprador anónimo de Nova Iorque, depois de um duelo de dez minutos com um rival localizado na China.

Na classificação das obras de Bacon que atingiram valores mais elevados em leilão, este tríptico criado em 1981 – um dos 28 trípticos de grande dimensão que o pintor figurativo anglo-irlandês produziu entre 1962 e 1991 – atingiu o terceiro lugar.

A primeira posição continua a pertencer à obra Três Estudos de Lucien Freud, de 1969, vendida em 2013 por 142,4 milhões de dólares (então correspondentes a 106 milhões de euros) num leilão da Christies em Nova Iorque.

Este último tríptico manteve, aliás, o recorde da pintura mais cara alguma vez vendida em leilão até ser destronada, em 2015, por Les Femmes d’Alger, de Pablo Picasso, que rendeu 179,4 milhões de dólares, também num leilão da Christie’s em Nova Iorque. Finalmente, em Novembro de 2017, a obra Salvator Mundi, que a maioria dos especialistas acredita ter sido pintada por Leonardo da Vinci, estabeleceu um novo recorde que não será facilmente ultrapassável, tendo sido vendida por 450 milhões de dólares, novamente na delegação nova-iorquina da Christie’s.