Opinião

A saudação fascista de André Ventura

Há uma frase famosa da jornalista Salena Zito que se impôs como o resumo perfeito das eleições americanas de 2016: a imprensa levou Trump “literally, but not seriously”, enquanto os seus apoiantes o levaram “seriously, but not literally”. Ventura está à procura do mesmo.

O grande tema das redes sociais deste fim-de-semana consistiu em saber se o braço levantado, com a mão esticada, de André Ventura na manifestação do Chega correspondeu, ou não, a um gesto intencional. Uns garantiam que sim, que aquilo era definitivamente a saudação fascista. Outros afirmavam que não, e até tinham para troca outras fotos em que Ventura aparecia de punho fechado, como um bom camarada.