fraude,economia,banca,uniao-europeia,alemanha,europa,
Markus Braun era o CEO da empresa até à semana passada. Negou as suspeitas, até que se demitiu Reuters/Michael Dalder

Wirecard: a estrela da bolsa alemã implodiu em nove dias

A “espectacular” falência desta fintech expôs fragilidades dos serviços financeiros, num país que diz ser de contas certas.

Nove dias bastaram para que a Wirecard passasse de orgulho na Alemanha a uma das maiores vergonhas financeiras desde o pós-guerra. Estrela na bolsa de Frankfurt, esta sociedade financeira – que tinha uma licença bancária na Alemanha e actuava em todo o mundo como intermediário em pagamentos electrónicos e com cartões – é agora uma empresa falida e sob investigação. Deixa credores a arder com 3500 milhões de euros em dívidas, há um gestor desaparecido, outro em liberdade condicional e um buraco nas contas de dois mil milhões de euros, dinheiro que se pensava ter desaparecido, mas que, afinal, pode nunca ter existido. Os políticos dramatizam, prometendo reformas. Para quê ter saudades do cinema, quando a realidade o torna obsoleto?