Torne-se perito Crítica

Eles por lá, todos bem... zinho

Um realismo fluido e mais do que convincente, nem miserabilista nem contaminado pela telenovela.

Daqui a 30 anos perceberemos melhor o que era a classe média suburbana do Brasil no final do século XXI por filmes como este
Fotogaleria
Daqui a 30 anos perceberemos melhor o que era a classe média suburbana do Brasil no final do século XXI por filmes como este
cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,brasil,
Fotogaleria
cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,brasil,
Fotogaleria
cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,brasil,
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Alguns momentos de Benzinho trazem ao espírito aquele cinema italiano dos anos 50 e 60 que fazia “sociologia” com o cuidado de deixar essa palavra a uma distância higiénica, e filmava as agruras da classe média pouco abonada em casas pequenas povoadas por famílias grandes, e tudo era um corrupio e tudo era uma luta. Não conseguimos pensar em melhor elogio para se fazer ao filme de Gustavo Pizzi, que descobre um realismo fluido e mais do que convincente, nem miserabilista nem contaminado pela telenovela, e que se funciona como retrato de classe (é um filme de 2018, ano da eleição de Bolsonaro) o faz a partir de um caso preciso de estudo, obstinando-se em remover todos os sinais de, por assim dizer, sobrecarga semântica.