Portugal pode ser excluído da lista de países considerados seguros pelo Reino Unido

Segundo o The Times, a lista inclui países como França, Espanha, Grécia, Itália e Turquia, mas Portugal é objecto de um “debate intenso” devido ao recente surto no Algarve.

Boris Johnson
Foto
Boris Johnson HANNAH MCKAY/EPA

O Governo britânico vai dispensar o cumprimento de quarentena a pessoas que viajem entre o Reino Unido e alguns países com um risco baixo de infecção por covid-19, mas a inclusão de Portugal está incerta, noticia esta terça-feira o The Times

De acordo com o diário britânico, o Governo de Boris Johnson está perto de fechar uma lista de dez países considerados seguros para os turistas britânicos viajarem sem que seja necessário ficarem em isolamento durante duas semanas no regresso, como acontece actualmente.

A lista inclui países como França, Espanha, Grécia, Itália e Turquia devido aos baixos níveis de infecção pelo novo coronavírus, mas Portugal, adianta o The Times, é objecto de um “debate intenso” devido ao recente surto no Algarve.

Uma fonte do Governo britânico disse ao jornal que “qualquer decisão em aceitar corredores de viagens com outros países será baseada em critérios rigorosos de saúde pública”. 

Uma festa em Odiáxere, no concelho de Lagos, resultou em pelo menos 111 pessoas infectadas, das quais 19 são crianças com menos de 9 anos, indicou a Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve, que terá realizado cerca de 2500 testes de diagnóstico à covid-19 para conter o surto.

O Governo português tem sido activo na pressão junto das autoridades britânicas para abrir um “corredor aéreo” para Portugal, destino de mais de 2,5 milhões de britânicos todos os anos, que representaram quase 20% das dormidas de estrangeiros em 2019.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, a disse à BBC no início de Junho estar em negociações com Londres e manifestou esperança de alcançar um acordo até ao final do mês. No sábado, o embaixador de Portugal no Reino Unido, Manuel Lobo Antunes, voltou a manifestar interesse num entendimento. “Nós pensamos que a situação está sob controlo e ficaríamos felizes em receber, como antes, o maior número possível de britânicos”, afirmou também à BBC. 

Desde 8 de Junho que todas as pessoas que chegam do estrangeiro ao Reino Unido, incluindo britânicos, são obrigadas a permanecer em isolamento durante 14 dias para reduzir a probabilidade de contágio da covid-19.

As transgressões serão puníveis com multas de mil libras (1100 euros), estando isentas pessoas vindas da Irlanda, motoristas de transportes de mercadorias, médicos que estejam envolvidos no combate à pandemia de covid-19 e trabalhadores agrícolas sazonais. 

A data formal para as condições desta medida serem revistas é na próxima semana, mas o ministro da Saúde, Matt Hancock, revelou na segunda-feira que o anúncio poderá acontecer antes. 

“Temos uma data formal de reavaliação da política da quarentena no final do mês e vamos garantir a publicação com antecedência do que planeamos fazer em termos de para onde pensamos, com base nos pareceres epidemiológicos, sermos capazes de formalizar corredores de viagem”, afirmou.

De acordo com os dados de segunda-feira, o Reino Unido registou 42.647 mortos desde o início da pandemia covid-19, o mais alto na Europa e o terceiro maior número a nível mundial, atrás dos EUA e Brasil. 

Portugal contabiliza pelo menos 1534 mortos associados à covid-19 em 39.392 casos confirmados de infecção, segundo o boletim divulgado pela Direcção-Geral da Saúde na segunda-feira.

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 469 mil mortos e infectou mais de 9 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Sugerir correcção