Aumento da oferta e fiscalização nos transportes vai voltar a ser discutido

Operadores privados aguardam que os 94 milhões de euros anunciados no Orçamento suplementar lhes alivie os problemas de tesouraria. Medina vai começar “a negociar já” com operadores

Foto
Rui Gaudencio

A Área Metropolitana de Lisboa, os municípios e os operadoras que fazem transportes públicos de passageiros, vão continuar a discutir os calendários e as formas de fazer a reposição de serviço, ou até mesmo reforçar a oferta de transportes, atendendo ao retomar progressivo das actividades. E agora também vai ter de discutir como pode reforçar as medidas de fiscalização que possam tornar mais seguro a utilização dos transportes públicos. No final de uma longa sessão de trabalho, em que o primeiro-ministro reuniu com os presidentes das câmaras municipais de Lisboa, Loures, Odivelas, Sintra e Amadora, e com o director do Gabinete Regional de Intervenção para a Supressão da Covid-19, ficou definido que o presidente da Área Metropolitana de Lisboa, Fernando Medina, deverá “negociar já” o reforço dos transportes rodoviários na região, uma negociação cujas verbas estão contempladas no Orçamento Suplementar em aprovação no Parlamento.