Polícia intervém em festa com cerca de mil pessoas em Carcavelos

O alerta para um ajuntamento de pessoas no parque de estacionamento do restaurante A Pastorinha, junto à praia de Carcavelos (Cascais), foi dado cerca das 00h30.

covid19,coronavirus,cascais,sociedade,lisboa,
Foto
Nelson Garrido

A PSP dispersou na madrugada deste sábado cerca de mil pessoas de uma festa, convocada pelas redes sociais, na praia de Carcavelos, concelho de Cascais, quando vigora no país a proibição de ajuntamentos desta dimensão, revelou a polícia.

De acordo com o comissário Artur Serafim, chefe do Núcleo de Imprensa e Relações Públicas do Comando Metropolitano de Lisboa (Cometlis), o alerta para um ajuntamento de pessoas no parque de estacionamento do restaurante A Pastorinha, junto à praia de Carcavelos, no concelho de Cascais e distrito de Lisboa, foi dado cerca das 00h30. No evento, organizado através das redes sociais, as pessoas não estavam a respeitar o distanciamento social, relatou à Renascença

Para o local as autoridades deslocaram viaturas de várias valências, nomeadamente da ordem pública. A intervenção demorou quase duas horas, “uma vez que as pessoas se deslocavam do parque de estacionamento, formando pequenos ajuntamentos no areal”, descreve o comissário.

Ao PÚBLICO, Artur Serafim confirmou que a PSP, em conjunto com a Polícia Marítima, teve que “intervir de forma assertiva” para que as pessoas abandonassem o local. 

A dispersão, contudo, decorreu “sem qualquer tipo de incidentes, de forma ordeira e pacífica”. Ninguém foi detido ou identificado, salientou o comissário à agência Lusa.

O Correio da Manhã, que avançou a notícia na madrugada de sábado, indicava inicialmente que estariam 200 pessoas no local, lendo-se agora que seriam “centenas de pessoas”. Ao PÚBLICO, Artur Serafim confirmou que as autoridades contabilizaram cerca de mil pessoas no local. 

“Nós, PSP, estamos bastante atentos a este tipo de eventos, nos quais vamos intervir de forma bastante ponderada e apelamos a todas as pessoas, principalmente os jovens, que não adiram a este tipo de eventos, porque estamos numa altura pandémica, e que devem seguir as normas da Direcção-Geral da Saúde”, acrescentou à agência Lusa.

Portugal contabiliza pelo menos 1527 mortos associados à covid-19 em 38.464 casos confirmados de infecção, segundo o boletim de sexta-feira da Direcção-Geral da Saúde (DGS). A região de Lisboa e Vale do Tejo tem actualmente o maior número de infectados diários.

Entre as medidas para prevenir o contágio, o Governo estipulou que ajuntamentos com mais de 20 pessoas estão proibidos.

Com discotecas e bares fechados nos últimos meses, as praias e as ruas têm-se convertido em locais de convívio em vários pontos do país, reunindo quem quer beber um copo, dançar e divertir-se entre amigos.

Sugerir correcção