O maior evento de vinhos portugueses do Brasil terá edição digital

Serão três dias com lives e provas virtuais em Outubro. Está já confirmada a presença de mais de 50 produtores.

publico,especial-vinhos,vinhos,vinho,fugas,brasil,
Foto
WWW.ALEXFERRO.COM.BR

A 7ª edição de Vinhos de Portugal no Rio e a 4ª edição em São Paulo fundem-se numa iniciativa virtual única, de 23 a 25 de Outubro, que pretende expandir o maior evento de vinhos portugueses para todo o Brasil com a criação de uma plataforma digital. A organização é dos jornais PÚBLICO, O Globo e Valor Económico, em parceria com a ViniPortugal.

Mais de 50 produtores já confirmaram a participação no evento. Serão três dias de lives em que os produtores apresentarão as novidades aos consumidores e haverá provas virtuais especiais com críticos brasileiros e portugueses. O consumidor terá a opção de comprar entradas que incluem ou não o envio de vinhos. A estimativa inicial dos organizadores é vender pelo menos quatro mil entradas para os três dias de actividades.

O engenheiro Frederico Falcão assumiu a presidência da ViniPortugal no fim de Maio, no meio da crise provocada pela pandemia da covid-19, mas não teve dúvidas de que o mercado brasileiro não podia ser abandonado. “Se retirarmos a influência do vinho do Porto, o Brasil foi o segundo maior mercado de exportação do vinho português em 2019. Em Abril, durante um mês de confinamento, as nossas exportações cresceram em valor e volume no Brasil, ao contrário do que aconteceu com nossos concorrentes, mostrando que os brasileiros vêem nos nossos vinhos um valor seguro. Nesta fase temos que nos reinventar para promover Portugal e estar perto dos nossos consumidores.”

“O nosso objectivo é levar o mundo real do produtor à casa do consumidor, explica Simone Duarte, da Out of Paper, curadora dos eventos e criadora do conceito digital da edição de 2020. “Vamos viajar por todo o país filmando e fotografando os projectos dos produtores inscritos. Estamos a criar uma montra digital, uma espécie de video wall virtual que será a porta de entrada para o consumidor saber tudo sobre aquele produtor, naquele mercado específico: os vinhos inscritos, as fichas técnicas, a história da quinta ou herdade, onde comprar os vinhos no Brasil. Nenhum país do mundo têm todas estas informações agregadas em um só sítio com este forte apelo visual A plataforma digital transforma três dias de evento em um road show permanente”.​ 

João Roquette, do Esporão, foi um dos primeiros a acreditar no novo formato. “Testar este modelo radical vai ser muito positivo para a promoção de vinho no futuro. É inovador e desafiador. As diferentes reacções e interacções com os consumidores vão nos ensinar muito sobre o caminho a seguir. É essencial que se teste este formato, não podíamos ficar parados. A venda online de vinho no Brasil está crescendo muito. O vinho está a sair fortalecido desta crise”.

Ricardo Custódio, gerente comercial do OBA Hortifruti, uma rede de supermercados que tem 51 lojas em onze cidades brasileiras, também apoia a decisão dos produtores em participar. “Assim como os vinhos têm a sua evolução, os eventos também têm, este é precursor. O sector do vinho percebeu que as vendas e o atendimento agora acontecem no mundo digital com lives e experiências partilhadas. “A venda de vinhos no OBA cresceu em média 40 por cento nos últimos meses. Entre os produtores que vende estão a Adega Mãe, a Adega Mayor, as Caves Campelo e a Caminhos Cruzados.

A produtora Lígia Santos, da Caminhos Cruzados não precisou nem do sinal verde do importador para aderir. “Este evento sempre foi diferente de tudo o que fazemos pelo mundo afora porque promove uma grande proximidade entre os produtores e os consumidores. Nesta fase em que nos retiraram essa proximidade, o palco digital passou a ser o nosso dia-a-dia e a única forma de estarmos juntos. Alinhamos 100 por cento com a inovação.

Para Dirceu Vianna Júnior, único Master of Wine de língua portuguesa, que participa no Vinhos de Portugal desde a primeira edição, “as plataformas digitais e as múltiplas oportunidades que elas nos oferecem não são algo para o futuro. Já são a nossa realidade, já são o ‘novo normal’ e devem ser integradas na estratégia comercial de todas as empresas. São ferramentas que permitirão que as empresas interajam directamente com o consumidor, fortalecendo não apenas as próprias marcas mas os vinhos de Portugal como um todo.“  

Além da parceria com a ViniPortugal, o evento é apoiado pelo Instituto dos Vinhos do Porto e Douro (IVDP), a Comissão Vitivinícola do Alentejo, a Agência Regional de Promoção Turística Centro de Portugal e a Associação Portuguesa de Cortiça (APCOR).

Sugerir correcção