Novo grupo abre o seu primeiro hotel em Lisboa, já com o segundo em obras

The Icons, perto da Praça de Espanha, começa a receber os primeiros hóspedes em Julho. Até ao final do ano, o grupo Trius Hotels deverá estrear outra unidade: será em Alfama, no edifício do antigo Insituto de Artes e Ofícios.

THE ICONS Hotel
Fotogaleria
The Icons, um novo três estrelas para começar um novo grupo, Trius DR
hoteis,praca-espanha,amalia-rodrigues,eusebio,fugas,lisboa,
Fotogaleria
The Icons, um novo três estrelas para começar um novo grupo, Trius DR
hoteis,praca-espanha,amalia-rodrigues,eusebio,fugas,lisboa,
Fotogaleria
The Icons, um novo três estrelas para começar um novo grupo, Trius DR
hoteis,praca-espanha,amalia-rodrigues,eusebio,fugas,lisboa,
Fotogaleria
The Icons, um novo três estrelas para começar um novo grupo, Trius DR
hoteis,praca-espanha,amalia-rodrigues,eusebio,fugas,lisboa,
Fotogaleria
The Icons, um novo três estrelas para começar um novo grupo, Trius DR

O número 66 da Rua Filipe da Mata, em Lisboa, virou hotel e está prestes a começar a receber os seus primeiros hóspedes, tendo a abertura marcada para 10 de Julho. O The Icons Hotel promete prestar homenagem a um conjunto de personalidades “icónicas” da história mundial e marca a abertura do primeiro hotel do mais recente grupo nacional, o Trius Hotels. Liderado pela nova geração de uma família com tradições no sector da hotelaria, o grupo tem já em construção uma outra unidade, em Alfama – mais concretamente no antigo Instituto de Artes e Ofícios – e estima construir outros dois hotéis (em Lisboa e em Sines).

Para já, as atenções estão viradas para a unidade situada próximo da Praça de Espanha, e que resulta de um investimento na ordem dos 4 milhões de euros. Ainda que o momento seja ainda de grandes incertezas e condicionalismos, os administradores do grupo Trius não se deixam assustar. “As pessoas estão com necessidade de viajar”, estima Erik Ussene, CEO do grupo, perante os cerca de dois meses passados em confinamento.

Ainda que a pandemia tenha provocado um ligeiro atraso na abertura do hotel, Erik Ussene assegura que a espera serviu para que se fizessem os devidos ajustes para garantir ainda mais segurança e higiene, “não só para o hóspede, mas também para o staff”. Além dos procedimentos relativos à higienização, também foram introduzidas novas práticas para reduzir o contacto entre clientes e staff, de que é exemplo o mobile check in.

Com 31 quartos, o The Icons Hotel pretende ser “uma ode a figuras icónicas – aforismos de Nélson Mandela, Albert Einstein, Mahatma Gandhi, entre outros, servem de pano de fundo para um particular arranjo gráfico presente nas paredes, conferindo uma atmosfera aconchegante e motivadora”. Com essa certeza: neste hotel, não encontrará “mais de dois quartos iguais”.

É, garantidamente, um hotel “diferente”. “Tem na sua génese uma temática que nos liga e aproxima a todos, independentemente da origem, ideologia, credo ou raça. Privilegiamos figuras e frases emblemáticas que marcaram gerações, como John Lennon, Papa João Paulo II, Princesa Diana, Amália Rodrigues ou Eusébio”, explica o director do hotel, João Monteiro.

Aquele responsável adianta que “existia uma lacuna de oferta nesta localização, no que toca a unidades de 3 estrelas, mas com qualidade superior, e com um conjunto de serviços de interesse, como ginásio, recepção 24 horas, sala de pequeno-almoço, serviço de lavandaria, business center, entre outros”.

Unidade de Alfama será “hotel de luxo”

O projecto desenhado para aquele que será o segundo hotel do grupo a abrir prevê “vários pormenores diferenciadores e de luxo”, desvenda o CEO. “É um prédio que se destaca em Alfama e importa honrar essa importância”, acrescenta. Em causa está o imóvel que albergou o Instituto de Artes e Ofícios (Fundação Ricardo Espírito Santo Silva), localizado na Calçada de S. Vicente. Erik Ussene escusa-se, para já, a adiantar qual o valor do investimento desta segunda unidade, mas promete uma unidade “de luxo”.

Os outros dois hotéis ainda estão em fase de projecto, sendo certo que irão localizar-se “perto do aeroporto de Lisboa” e “no centro histórico do grupo”, explica o jovem empresário, que lidera o grupo Trius juntamente com o irmão. “Crescemos a ver o nosso avô ligado à hotelaria, e depois o nosso pai, e queremos aliar essa experiência à nossa irreverência”, testemunha.