Estrada na duna da Fonte da Telha é um alerta para o futuro do litoral

Associação Zero está a investigar obras de pavimentação em zona de duna primária na Fonte da Telha e pondera apresentar queixa à Inspecção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território. Zero acusa ainda o Governo de ter dado carta-branca às câmaras municipais para obras sem necessitar de parecer prévio da Agência Portuguesa do Ambiente.

Foto
Câmara de Almada garante que na reabilitação da via não há colocação de alcatrão, mas sim de um betuminoso semipermeável Carolina Pescada

Entre a casa de Abel Pereira, 67 anos, e a praia, na Fonte da Telha, há por estes dias um rebuliço de máquinas e um cheiro a alcatrão. A casa de férias que herdou dos sogros há mais de 40 anos situa-se no início da estrada que a Câmara Municipal de Almada começou a pavimentar há uma semana, no âmbito de uma intervenção de requalificação daquela zona. Tal como muitos moradores e concessionários de bares e restaurantes de praia, diz ao PÚBLICO que as obras já deveriam ter chegado há mais tempo. Opinião diferente tem a Associação Zero, a primeira a alertar para os riscos ambientais e ecológicos da obra de pavimentação e que agora vai mais longe: “A nossa intenção é investigar para ver até que ponto há ou não razões para uma queixa à Inspecção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território (IGAMAOT)”, avançou ao PÚBLICO Francisco Ferreira, presidente da Zero.