coronavirus,p3,p2,agencia-magnum,fotojornalismo,fotografia,
©Mark Power/MAGNUM PHOTOS

Fotografia: a pandemia causou um “buraco negro informativo”, alerta a Magnum

“Há muitas histórias relevantes para contar que foram, simplesmente, relegadas para segundo plano”, diz o presidente da Magnum Photos, Thomas Dworzak. O P3 conversou com quatro fotógrafos da agência e com a presidente executiva. Juntos traçaram um retrato do presente e do futuro da fotografia documental e desta agência “à prova de crise” na era da covid-19. O mundo mudou — e a fotografia também.

Com o surgimento da pandemia de covid-19, o mundo mudou — e, com ele, também a fotografia se vê a braços com novos desafios. O fotojornalismo foi forçado a adaptar-se a novas restrições, a novos e repetitivos símbolos, o circuito artístico encontra-se em suspenso, o documentarismo procura novas formas de retratar a realidade que se afastem do imediatismo do fotojornalismo e proporcionem uma perspectiva mais abrangente e reflexiva do “novo normal”. Para os fotógrafos que compõem a Magnum Photos, nascida no rescaldo da Segunda Guerra Mundial, a relação com a nova crise é vivida com preocupação, mas também com alguma naturalidade. Os 73 anos de história da cooperativa tornaram-na, de certo modo, “à prova de crise”.

Caitlin Hughes, presidente executiva, disse ao P3, em teleconferência a partir do País de Gales, que “o que verdadeiramente diferencia a Magnum são os laços de solidariedade existentes entre os fotógrafos e o diálogo que estabelecem, hoje mais do que noutras épocas, no sentido de encontrar respostas” para fazer face à crise. Alguns desses diálogos, divulgados na rubrica recém-criada Quarentine Conversations, decorrem em directo nas redes e estão disponíveis através dos canais oficiais da Magnum.

“Além disso, muitos dos nossos fotógrafos mantêm-se em plena actividade”, refere Hughes, chamando a atenção para o trabalho dos fotojornalistas italianos Alex Majoli e Lorenzo Meloni, na linha da frente da crise de covid-19 em Itália, que continuam a publicar os seus trabalhos em meios de comunicação internacionais. Noutras vertentes da fotografia, a realidade é diferente.

“Existem formas simbólicas de cobrir a pandemia”

A fotógrafa belga Bieke Depoorter, membro oficial da Magnum Photos desde 2016 e cujo corpo de trabalho vagueia entre as linguagens documental e artística — que explora sobretudo a esfera íntima de indivíduos com quem se cruza em viagem —, encontra no presente contexto novos obstáculos ao desenvolvimento da sua linguagem autoral. Em confinamento, com todos os eventos relacionados com a exibição do seu trabalho cancelados, Bieke permanece em Ghent, na Bélgica, a editar o próximo livro, Agata. “Na realidade, hoje deveria estar a voar dos Estados Unidos para Itália, onde iria decorrer uma exposição do meu trabalho. Foi cancelada. Exposições, palestras, workshops, foi tudo cancelado”, lamenta. Nem o icónico festival de fotografia Les Rencontres d’Arles, em França, escapou à covid-19.

PÚBLICO -
Foto
Um retrato da série Agata, que Bieke Depoorter iniciou em Novembro de 2017, numa altura em que, para si, o contacto próximo com as pessoas era parte essencial do seu trabalho. "Quero conhecer as pessoas enquanto indivíduo, primeiro, e só depois enquanto fotógrafa." ©Bieke Depoorter/Magnum Photos

Bieke não é fotojornalista ou fotógrafa de rua, mas sente uma certa “urgência” em reagir e cobrir, de algum modo, o que está a acontecer em seu torno. Acredita que a pandemia pode ser narrada a partir de muitos ângulos. “A cobertura não tem de ser literal”, explica. “Existem formas simbólicas de o fazer. Neste caso, creio que existe um sentimento generalizado de querer viver numa realidade longínqua. Há muitas pessoas que não querem estar aqui, agora. Fisicamente, a única solução é estar fora da Terra.” A astrofotografia — a captura de imagens de corpos celestes — está, por isso, na mira da jovem belga para um projecto futuro.

PÚBLICO -
Foto
Fotografia realizada Março de 2020, em plena pandemia, com enfoque na astrofotografia. “Há muitas pessoas que preferiam não estar na Terra, agora." ©Bieke Depoorter/Magnum Photos

Este recente interesse surge a partir da impossibilidade de documentar aquilo que realmente lhe interessa, ou seja, o que acontece na esfera íntima dos lares, uma realidade hoje vedada à maioria dos fotógrafos — que, não raramente, optam por virar para dentro a objectiva da câmara, para a sua própria intimidade. “Sinto-me muito desconfortável com o chavão ‘Fiquem em Casa’”, refere. “Há pessoas a viver situações de violência doméstica, refugiados cujas vidas se deterioraram longe do olhar público.” Para a fotógrafa de 34 anos, “há demasiadas coisas a acontecer que não encontram cobertura mediática” — e isso é “preocupante”.

“Parece que o mundo ficou em suspenso”

Da mesma opinião é o presidente da Magnum Photos, Thomas Dworzak, que conversou com o P3 a partir de Paris. O ex-fotógrafo de guerra que, ao longo de uma carreira de quase 30 anos, assumiu uma linguagem clássica de preto e branco, assumida e orgulhosamente “antiquada”, considera a pandemia “um buraco negro informativo”. “Parece que o mundo ficou em suspenso. Já não há guerras? Negócios obscuros? O que está a acontecer na Tchetchénia, por exemplo, alguém sabe? Alguém se importa? Há muitas histórias relevantes para contar que foram, simplesmente, relegadas para segundo plano.” Histórias que, na opinião do alemão, deixaram de ser do interesse do público e, em consequência, se tornaram pouco vendáveis ou publicáveis.

Thomas acredita que a realidade migrou para a esfera virtual, para um lugar imaterial quase intangível — o que dificulta a missão dos fotógrafos. Mas, apesar de se considerar um “infoexcluído”, diz, exageradamente, em conversa através do Zoom, Thomas não cruzou os braços e foi ao encontro dos acontecimentos. “Inverti a minha abordagem fotográfica e comecei a documentar o espaço virtual: o que se passa no Skype, no WhatsApp, no Zoom, nos directos do YouTube e do Facebook. Passo os dias a tentar registar as diferentes actividades que decorrem em directo nas redes: aulas, sessões de ioga, corridas de bicicleta, reuniões políticas, clubbing, concertos, festas. Hoje fui a um funeral, por exemplo.”

PÚBLICO -
Foto
Uma conferência no Zoom a partir de uma sinagoga, na Alemanha. Devido à pandemia, Dworzak virou a objectiva para os eventos que decorrem online. ©Thomas Dworzak/Magnum Photos

Algo que parecia futurista há poucos anos faz parte do “novo normal”. Thomas fotografa e reúne imagens de uma espécie de “intimidade em espaço público” que não é nova — existe desde a “democratização do tédio” no Ocidente, refere — mas que, hoje, em plena pandemia, assume maior peso e relevância. “Desta forma, tenho acesso, por vezes, a eventos cujo acesso me seria vedado”, sublinha.

Thomas, que ao longo da sua carreira, cobriu as guerras do Iraque e do Afeganistão, está acostumado a fotografar a realidade das vítimas de calamidade praticamente sem restrições – algo que, em território europeu, “se tornou quase num tabu”. “Fotografar algo trágico, dramático, em França é quase impossível. As pessoas não te deixam fotografar um funeral, por exemplo. Ficariam zangadas. Em África poderias fazê-lo, na Europa não. Existe um privilégio ocidental na questão da privacidade, que tem impacto ao nível da representação do Ocidente no resto do mundo. No Ocidente, as crises são sempre mais ‘limpas’.”

PÚBLICO -
Thomas Dworzak acompanha o enterro de um civil que foi morto por uma mina, na Geórgia, em 1993. “Hoje, fotografar algo trágico, dramático, em França, é quase impossível. As pessoas não te deixam fotografar um funeral, por exemplo. Ficariam zangadas." ©Thomas Dworzak/Magnum Photos

A espontaneidade está fora de alcance do fotógrafo

Foi também na esfera íntima de perfeitos estranhos que o norte-americano Alec Soth, membro da Magnum Photos desde 2004, perdeu terreno fotográfico. O último trabalho e fotolivro (editado pela Mack Books) de Soth, I Know How Furiously Your Heart Is Beating, foi desenvolvido integralmente na companhia de estranhos, que lhe abriram a porta de suas casas e lhe permitiram documentar a intimidade. Soth quis, “simplesmente, passar tempo a olhar para outras pessoas e, com sorte, vislumbrar a sua vida interior”.

Hoje, semelhante abordagem seria impossível, sabe. “À parte a pandemia, eu já estava em mudança”, afiança o fotógrafo de 51 anos, a partir de Saint Paul, em Mineápolis, Minnesota, nos Estados Unidos. Não tencionava repetir o modus operandi. Sem abrir o livro, Soth adiantou que pretendia, desta vez, “fazer-se à estrada” e fotografar “a vida na América”; a pandemia alterou-lhe os planos. “Quando tudo isto começou, senti-me quase obrigado a cobrir este tema [da pandemia]”, confessa. “Mas não tenho prática nesse tipo de cobertura, a minha linguagem é mais artística. Nunca sei o que fazer em casos de emergência.” Soth esteve em Paris durante os atentados, em 2015, e confessa que não realizou uma única imagem.

PÚBLICO -
Foto
À esquerda: em 2018, Alec Soth fotografou Leon, em Berlim, em roupa interior para a série e fotolivro I Know How Furiously Your Heart is Beating. À direita: Em Março de 2020, num acto de experimentação fotográfica, Alec utiliza o seu iPhone “para tirar fotografias através dos binóculos”. ©Alec Soth/Magnum Photos

Sente-se, actualmente, “um pouco paralisado”, mas tranquilo. “Não posso começar o novo projecto porque envolve viagens. A minha forma ideal de trabalho é muito semelhante ao de surfar uma onda. Se eu fosse agora ‘para a água’, poderia remar sobre a prancha mas nunca levantar-me — o que seria incrivelmente frustrante.” Por isso, Soth dedica-se, presentemente, à experimentação fotográfica na sua quinta, algo que, garante, não é incomum acontecer entre projectos.

Também Mark Power, membro da Magnum Photos desde 2007, se encontra em pausa. Mas, ao contrário de Soth, o trabalho de Mark raramente envolve a presença humana. “Costumo dizer, a brincar, que não gosto de falar com pessoas”, diz, entre sorrisos, a partir de casa, numa aldeia de 2500 habitantes nos arredores de Brighton, em Inglaterra. “As pessoas figuram nas minhas imagens incidentalmente, não se apercebem, sequer, de que estão a ser fotografadas. Isso significa que, com ou sem pandemia, as imagens teriam o mesmo aspecto, não é?”

O britânico desenvolve, desde 2012, o projecto Good Morning America, que pode resumir-se como um retrato subjectivo da “american way of life” a partir do olhar de um britânico “culturalmente colonizado” pelos Estados Unidos. “Viagens, hotéis... Fazia quatro viagens por ano aos Estados Unidos. Isso acabou. Quando será possível viajar novamente? Não sei. Devo ir? Tenho mais de 60 anos e diabetes do tipo 2. Devo apenas sentar-me, pacientemente, enquanto aguardo uma vacina [para a covid-19]?”

PÚBLICO -
Foto
As traseiras de um cinema drive-in, na Flórida, EUA (2012). Devido à pandemia, o fotógrafo britânico Mark Power foi forçado a interromper o projecto Good Morning America, que desenvolve, há vários anos, nos Estados Unidos. ©Mark Power/Magnum Photos

Fotografar o invisível

À semelhança de muitos documentaristas, Mark sente “frustração e culpa”. Há valores que se sobrepõem à necessidade de continuar a actividade, embora sinta “inveja de quem consegue receber um salário”, neste momento. “O meu rendimento, que advém sobretudo da fotografia institucional, corporativa, secou completamente desde começou o confinamento.”

Para alguns fotógrafos, sobreviver implica dar início a processos de adaptação e, até, de reinvenção. O projecto de Mark, Good Morning America, já deu origem a dois volumes editados pela londrina Gost. Mais três estão planeados até ao término. “Deveria estar no Kansas, neste momento, a trabalhar no terceiro volume. Com esta interrupção, uma alteração profunda da realidade provocada por algo que é invisível, terei de repensar o rumo do projecto. A covid-19 deverá estar presente, deve encontrar reflexo nas imagens. Mas como?”

Mark, que virou temporariamente a objectiva da câmara para o seu confinamento em família, acredita que a epidemia, nos Estados Unidos e no resto do mundo, terá implicações económicas e sociais profundas – e que esse será um terreno fértil para a fotografia documental. “Daqui a um ano, talvez alguns lugares que pretendia visitar tenham mudado de cara.”

PÚBLICO -
Foto
Em pausa forçada, Mark virou a objectiva para a vida doméstica. Retratos da filha de 21 anos, Chilli, que decidiu permanecer em confinamento junto da família, em Brighton. Na imagem, Chilli tinha acabado de receber a notícia do cancelamento da sua apresentação do projecto de final de curso, devido à covid-19. ©Mark Power/Magnum Photos

Que presente e que futuro?

Nenhum dos fotógrafos da Magnum Photos que o P3 entrevistou deixou de referir a crise de 2008 como paralelo para o que esperam viver num futuro próximo. Recordam que, nesse período, foram capazes de encontrar ferramentas para sobreviver e agora, com a generalização do acesso à Internet, existe um mercado mais abrangente. “Estamos, obviamente, preocupados com a sobrevivência da cooperativa”, refere a presidente executiva, Caitlin Hughes. “Mas, ao contrário do que foi feito no passado, a Magnum esforça-se hoje por manter uma relação de informalidade com o público. As actividades online, como workshops e sessões de orientação, permitem-nos chegar a milhares de pessoas.”

A Magnum não é orientada para o lucro, embora carregue sobre os ombros uma pesada estrutura. “Temos uma equipa comercial, num escritório em Nova Iorque, que gere o agenciamento de fotógrafos. Há também uma equipa dedicada ao licenciamento e venda de impressões e outras dedicadas à gestão da área digital e educativa, a partir de escritórios em Paris e Londres.” As parcerias com outros colectivos, que resultam em vendas digitais de fotografia — eventos online conhecidos por Magnum Square Print — têm-se revelado surpreendentemente bem-sucedidos. “Com o último Square Print, em Abril, já em tempo de pandemia, obtivemos o melhor resultado de sempre. Estamos muito activos no mundo digital e temos mais ideias do que aquelas que conseguimos colocar em prática.”

Todos os membros da Magnum Photos têm uma visão de longo prazo no que toca à sobrevivência do grupo, garante Caitlin Hughes. “E são os membros e a sua vontade de vencer que ‘seguram’ esta organização. Para os fotógrafos, a missão prioritária é a de criar corpos de trabalho que assumam relevância histórica, que se tornem em ferramentas de aprendizagem e consulta para futuras gerações”, continua. “E é o respeito que os fotógrafos têm pelo legado histórico que permite à Magnum sobreviver, intrepidamente, ao teste do tempo.”

As fotografias deste artigo são cortesia da Magnum Photos.

Sugerir correcção