Torne-se perito

Santuário de Fátima admite fechar recinto se número de peregrinos não permitir o distanciamento social

“Não me parece expectável uma grande enchente” na Peregrinação Internacional Aniversária, diz reitor do Santuário de Fátima.

santuario,fatima,igreja-catolica,sociedade,religiao,
Foto
Nelson Garrido

O Santuário de Fátima não espera uma afluência significativa à Peregrinação Internacional Aniversária desta sexta-feira e de amanhã, mas o reitor avisa que se o número de peregrinos não permitir o distanciamento social encerrará o recinto.

“Não me parece expectável uma grande enchente”, disse o reitor do Santuário de Fátima Carlos Cabecinhas, em conferência de imprensa. O recinto de oração é um espaço “amplo” e por isso não está definido um máximo de lotação, nem está prevista a utilização de qualquer utilização de instrumentos de contagem de pessoas, à semelhança do que sucede nas praias.

“Não temos instrumentos desse género nem pretendemos implementá-los. Aquilo que procuramos fazer é ir verificando a afluência de peregrinos. Caso tenhamos, em algum momento, a percepção de que o Santuário começa a estar no limite da sua capacidade no respeito pelo distanciamento teremos necessariamente de isolar e fechar o recinto”, alertou Carlos Cabecinhas.

O reitor sublinhou que o Santuário tem a situação “organizada e articulada” para avançar com essa medida, caso seja necessário. “Até ao momento não foi necessário, pois ficámos sempre aquém da capacidade daquilo que é a capacidade de um espaço tão vasto como é esta larga esplanada do recinto de oração.”

Carlos Cabecinhas admitiu que, num primeiro momento, após a reabertura das missas presenciais, esperava mais peregrinos. “Notámos que havia alguma prudência e receio nesse desconfinamento. Mas, progressivamente fomos notando que as pessoas começaram a vir e com mais confiança. Neste momento, o número de pessoas que tem vindo está de acordo com as nossas expectativas”, constatou.

O reitor lembrou ainda que “esta peregrinação de Junho é sempre uma peregrinação com poucos peregrinos”. “Aqui temos uma conjugação do 12 e 13, que correspondem a uma sexta à noite e a um sábado de manhã, o que pode trazer mais peregrinos do que é habitual. Temos, por outro lado, o facto de muitas pessoas que não puderam vir em Maio, virem agora”, referiu ainda.

Nos últimos dias a fila para colocar uma vela estendia-se por grande parte do recinto. Carlos Cabecinhas justifica com a obrigatoriedade do distanciamento social e com o controlo dentro do tocheiro.

“Preocupamo-nos porque os peregrinos têm de esperar muito tempo para acender as suas velas, mas não temos solução. Por outro lado, revela-nos a enorme responsabilidade dos peregrinos, que esperam pacientemente não cortando os espaços de distanciamento que têm de observar.”

Carlos Cabecinhas insistiu na necessidade de garantir o distanciamento físico e aplaude a atitude dos peregrinos, que têm mostrado responsabilidade ao usarem máscara para sua protecção e dos outros.

“Apesar da insistência para o uso de máscara ser nos espaços fechados, de acordo com as directrizes da Direcção-Geral da Saúde, de um modo generalizado, os peregrinos usam máscara mesmo no espaço aberto. O peregrino de Fátima vem com confiança e sente-se corresponsável por si e pelos outros. O uso de máscara e o respeito pelo distanciamento mostra a responsabilidade do peregrino”, destacou também.

Sobre a peregrinação de Agosto, aquela que mais gente costuma levar ao Santuário de Fátima, a seguir ao 12 e 13 de Maio, Carlos Cabecinhas considerou ainda ser “prematuro projectar já essa peregrinação”. “Não podemos ter a peregrinação de Agosto que habitualmente tínhamos e creio que todos temos consciência disso. Por um lado, porque muitos dos potenciais peregrinos evitarão vir, tendo em conta esta necessidade de algum distanciamento e esta prudência de evitar ajuntamentos, por outro lado, é uma incógnita em relação aquilo que é a evolução da própria situação sanitária. Gostaríamos já de poder contar com o programa habitual da peregrinação de Agosto, mas nem isso neste momento é certo”, lamentou o padre.

Sugerir correcção