PÚBLICO suspende participação na netAudience

O tráfego do PÚBLICO tem vindo a crescer, sucessivamente, desde Setembro de 2018, trimestre após trimestre.

jornalismo,internet,publico,media,sociedade,portugal,
Foto
O PÚBLICO atingiu em Março os melhores resultados da sua história digital. Nelson Garrido

O PÚBLICO suspendeu a sua inclusão no barómetro da netAudience da Marktest — que compara o tráfego online dos sites portugueses —, por não se rever nos critérios do barómetro que excluem quer os leitores mais fiéis, quer os leitores que o são a partir de outro país. Este barómetro mensal mistura sites de jornalismo com sites de entretenimento, sem ter em conta as especificidades de cada meio, de que resulta um ranking misto, que compara o incomparável.

O tráfego do PÚBLICO tem vindo a crescer, sucessivamente, desde Setembro de 2018, trimestre após trimestre. No mês de Março, e pela segunda vez desde que a netAudience alterou o seu barómetro, o PÚBLICO foi o site mais lido em Portugal, com um alcance de 3,8 milhões de leitores só em Portugal.

No mesmo mês, coincidindo com a pandemia e com a necessidade de procura de jornalismo de confiança numa época de incertezas e de medo, o PÚBLICO atingiu os melhores resultados da sua história digital: 15 milhões de visitantes, cerca de 45 milhões de visitas e 105 milhões de páginas vistas, de acordo com os dados do Google Analytics, que contabiliza leitores em Portugal e no resto do mundo. 

Acresce que a netAudience mede sobretudo a quantidade de leitores únicos que consultam um dado site ao longo de um mês, nas várias plataformas, mas não valoriza a fidelidade dos mesmos às respectivas publicações.

A quantidade de leitores que lêem o PÚBLICO várias vezes ao longo do dia, e em várias plataformas, cujas percentagens de fidelidade têm vindo a crescer nos últimos meses, não é tida em conta neste ranking, que mede sobretudo o número total de leitores que lêem uma publicação pelo menos uma vez ao longo de um mês.

O mesmo barómetro da Marktest tem em conta apenas o tráfego proveniente dos utilizadores em território nacional e não inclui todos aqueles que, sendo da diáspora ou não, consultam publicações portuguesas, como é o caso do PÚBLICO, que tem 20% dos seus leitores, segundo o Google Analytics, no estrangeiro, sobretudo em países como Brasil, Reino Unido ou Estados Unidos.

Sugerir correcção