Centeno chega ao fim sem conhecer responsabilidades do “apagão” no fisco

Responsabilidade interna pela omissão na autoridade tributária de dados relativos a 10.000 milhões de euros de transferências para offshores continua por apurar ao fim de mais de três anos.

Foto
A Centeno sucederá, como ministro, o seu secretário de Estado do Orçamento, João Leão Nuno Ferreira Santos

O ministro das Finanças, Mário Centeno, está de saída do segundo Governo de António Costa sem que na Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) — um dos mais importantes pilares da administração directa do Estado — estejam apuradas as responsabilidades internas do “apagão fiscal” de dados relativos a 10.000 milhões de euros de transferências para jurisdições offshore.

Sugerir correcção