Da presença do mestre ausente: António Reis

Chegou à escola de cinema “como uma torrente”. Estre livro procura pensar o património dos seus ensinamentos.

Foto
António Reis, por Eduardo Luiz, de Poemas do Cais (Porto: Livraria Portugália, 1949)

No que respeita ao cinema de António Reis (1927-1991) pode dizer-se que, apesar de os seus filmes ainda não terem uma circulação comercial generalizada, em sala ou DVD, o esforço de preservação e digitalização dos seus filmes levada a cabo pela Cinemateca Portuguesa, ou a regular exibição da sua obra em festivais e ciclos (como mais recentemente no Porto/Post/Doc em 2018), tem contribuído para pensar o seu legado fílmico. A mesma coisa pode dizer-se quanto à sua obra poética, com a reedição em 2017 dos seus Poemas Quotidianos. Já o mesmo não pode afirmar-se quanto à difícil tarefa de pensar e dar corpo a uma outra dimensão da sua carreira, a de professor de cinema. É esse o objectivo que paira sobre Descasco as Imagens e Entrego-as na Boca, editado agora com a chancela Documenta, e que reúne um conjunto de textos que tiveram origem numa homenagem intitulada “Lições António Reis”, que decorreu na abertura do ano lectivo de 2018 na Escola Superior de Teatro e Cinema. Recorde-se que Reis foi professor naquela escola entre 1977 e 1991 e maître à penser de toda uma geração de cineastas portugueses, como são os casos de Pedro Costa, Vítor Gonçalves, Manuel Mozos, Joaquim Sapinho, João Pedro Rodrigues ou Manuela Viegas, entre outros.

Sugerir correcção