Novo crédito ao consumo caiu para metade em Abril

Os empréstimos para habitação diminuíram 13% no mês em que boa parte do comércio e serviços esteve encerrada.

Crédito para compra de automóveis representa uma fatia importante do crédito ao consumo
Foto
Crédito para compra de automóveis representa uma fatia importante do crédito ao consumo Miguel Manso

Os particulares recorreram menos ao crédito durante o estado de emergência, que vigorou em Abril, e que levou ao encerramento de muitas actividades comerciais e de serviços. Os dados relativos a este mês, divulgados esta sexta-feira pelo Banco de Portugal, mostram uma queda para cerca de metade no novo crédito ao consumo, com o montante a ficar em 177 milhões de euros, contra 421 milhões do mês anterior.

Ainda no crédito a particulares, mas para fins como educação ou saúde, o montante contratado ficou em 131 milhões de euros, bem longe dos 240 milhões verificados em Março.

Durante o mês de Abril, o consumo das famílias caiu significativamente. Apesar de um aumento na compra de alguns bens, como electrodomésticos ou material informático, a queda noutros, como a dos automóveis, foi muito elevada.

Apesar da queda em montante, a taxa de juro do crédito ao consumo manteve a tendência de descida, caindo de 6,67%, em Março, para novo mínimo, de 5,76%, no mês da Páscoa, este ano marcada pelo confinamento dos portugueses. A mesma tendência verificada nos empréstimos para outros fins, que se fixou em 3,26%, contra 3,67% de Março.

A queda nos novos empréstimos também se observou no crédito para compra de habitação, que totalizou 831 milhões de euros, menos de 121 milhões face ao valor de Março, que ascendeu a 952 milhões de euros, e o valor mensal mais baixo desde Agosto de 2019. Este crédito envolve processos de contratualização mais complexos e demorados, pelo que o impacto económico da pandemia de covid-19, na compra de casas e de outras actividades, deverá estender-se aos próximos meses.

A taxa de juro média do crédito à habitação contratado em Abril subiu muito ligeiramente, um ponto base, fixando-se em 1,03%, contra 1,02% do mês anterior.

A taxa de juro média dos novos empréstimos concedidos às empresas diminuiu dois pontos base, face a Março, para 2,08%, atingindo um novo mínimo histórico pelo segundo mês consecutivo.

Taxas de juro de novas operações de depósitos até um ano manteve-se nos 0,07%.