Opinião

Infância - um bem em vias de extinção

Tenho descoberto imensas famílias que massacram os seus filhos, obrigando-os a alcançarem objectivos pré-estabelecidos e martelando-lhes a ideologia do sucesso a todo o custo desde tenra idade.

A infância é um bem em vias de extinção. Não me refiro à natalidade diminuída que vai transformando Portugal num dos países mais envelhecidos do mundo. Falo na deliberada, continuada e perniciosa erosão e destruição do que há de mais verdadeiro nos primeiros anos de vida de um ser humano. Se “o melhor do mundo são as crianças”, como escreveu Pessoa, atribuindo-lhes como cerne a liberdade que deu título ao seu poema, então temos de estar muito atentos ao veneno doce, melífluo, suave, brilhante, colorido e atraente com que a infância está a ser corroída.

Nem sempre pensei assim. Caí da minha ingenuidade quando um dia, numa das minhas aulas, uma criança me respondeu que queria ser médica porque assim poderia enriquecer mais depressa. Fiquei estupefacto! Comecei a dirigir então outra atenção ao que estava à minha volta. As escolas são excelentes observatórios… Abri os olhos e vi o que não queria ver.

Desde aí, tenho descoberto imensas famílias que massacram os seus filhos, obrigando-os a alcançarem objectivos pré-estabelecidos e martelando-lhes a ideologia do sucesso a todo o custo desde tenra idade. Exercem inimagináveis pressões; excluem da vida familiar qualquer “pedagogia do fracasso”; atacam como feras todos quantos ponham em causa essa via que transforma os seres humanos em máquinas de arrasto. No reverso da medalha, venho encontrando pais e mães desinteressados do sucesso educativo dos seus filhos, mas focados em manter os miúdos em equipas juvenis e infantis de futebol para que, talvez um dia, venham a ser como aquele madeirense que “ganha milhões” e “até ajuda a família”. E quem diz a participação em equipas de futebol, diz a entrada em programas de TV, diz a reiterada participação em castings, diz a valorização da actividade youtuber por mais degradante que seja, diz o apoio a outras práticas degradantes que me dispenso de arrolar… O sucesso dos filhos é visto como o seu sucesso – e ai de quem se meta no caminho com ideias contrárias ou pondo pedrinhas na engrenagem. Nem vos conto…

A resposta da miúda também me obrigou a estar atento a outras manifestações de envenenamento, só na aparência pouco nefastas ou laterais. Passei a sentir náuseas, por exemplo, ao verificar a sexualização precoce a que se sujeitam tantos miúdos e, sobretudo, miúdas, com consequências que se adivinham. Deixei de achar graça às pessoas que mantêm os miúdos calados pondo-os à frente de um ecrã, seja ele de televisão, computador ou telemóvel. Não sabem ainda falar nem andar, mas já fixam os olhos no rectângulo, procuram canais e, sobretudo, passam o dedo pelo ecrã, na missa, no café, no restaurante, no jardim, em todo o lado, tornando-se insensíveis a qualquer estímulo externo, mas estimulando a baba dos familiares, enternecidos com tão precoces habilidades dos pimpolhos. Mesmo quando alguém ousa avisar essas famílias e esses progenitores do mal que estão a causar aos seus miúdos, olham para o portador da mensagem como se fosse um extraterrestre ou alguém vindo do passado numa máquina do tempo, uma espécie de fóssil sem qualquer valor. Encolhem os ombros, por vezes resmungam – e continuam pelo mesmo caminho rente ao abismo.

Levei uma pancada ao ouvir a resposta daquela miúda simpática, mas envenenada (por quem?). Passei a topar e a entender de outro modo as doces trapaças com que as nossas crianças são envenenadas todos os dias, a toda a hora, por muita e muita gente. A infância é, por isso, um bem em vias de extinção. O que se passa não é inevitável. É todavia calculado, sub-repticiamente inoculado, como quase tudo o que de venenoso nos bate à porta neste tempo de chumbo onde nos foi dado viver. Somos seduzidos como se andássemos permanentemente por corredores de hipermercado. A promoção constante e avassaladora de contra-valores como o poder, a vaidade, o orgulho, a riqueza, o sucesso, o consumo, o individualismo, a violência ou o impudor vai produzindo um autismo fabricado com consequências perigosíssimas para a dignidade humana, erodindo ou quebrando sentimentos como a empatia, a compaixão, o diálogo, o sentido do dever ou o altruísmo. Tudo isto está a criar catástrofes pessoais e sociais inimagináveis, mas discretas, violências nunca vistas, mas “simpáticas”, comportamentos alienados, mas manipuláveis, frustrações assustadoras, mas boas para usar em proveito alheio.

O que se vai vendo pelas redes sociais é eloquente do estado mental a que chegámos: “Ninguém sabe que coisa quer. / Ninguém conhece que alma tem. / Nem o que é mal nem o que é bem” (Pessoa). Um dos exemplos é o que se está a passar numa boa parte das nossas escolas e das nossas famílias. A promoção da igualdade de oportunidades vai-se impondo como miragem, pois não é compatível com uma estratégia baseada no controlo tecnológico de professores, pais e crianças e com a exclusão do conhecimento, do pensamento e da imaginação da vida dos estabelecimentos de ensino. Há quem aplauda, como é costume e expectável. Há quem achincalhe os que pensam pela sua cabeça ou os mais fracos. Há quem use tudo isto para trepar… Quem não se verga ou não pode ter os meios que os outros têm, fica de fora; é posto à margem, como traste sem préstimo. O plano foi montado há muito, sabe o demo onde e por quem. Aproveitou apenas, agora, a embalagem covidiana como uma “janela de oportunidades”, acelerando algo que há muito estava em marcha.

O envenenamento começa na mais tenra idade, praticado por aqueles que deveriam educar as nossas crianças. A trapaça é diversa e atinge todos. No fundo, quem provoca directamente tal erosão nas crianças nem sequer é culpado, pois não passa também de uma incauta vítima, de uma espécie de títere em mãos desconhecidas. Não é preciso sermos muito inteligentes para descobrirmos quem ganha com isto. São em geral pessoas para quem não há valores sociais, morais ou éticos estáveis além do dinheiro, do poder, do sucesso e do prazer. Quem promove esta “doutrina” deseja dominar e inchar como peru recheado com notas de banco. No fundo, julga-se membro de uma “espécie superior”, com direito a espezinhar o seu semelhante. Rostos sem face visível, vêem o “outro” apenas como um “isso”, como uma ferramenta, um degrau na sua escadaria egoísta - seja o “outro” uma criança, um adolescente, um adulto ou um velho. Se serve, manipula-se com as técnicas mais ardilosas. Se não serve, lixo! São eles quem ganha com esta extinção da infância e do bom que ela traz ao equilíbrio vital, enquanto semente de liberdade, de curiosidade e de imaginação.

Há dias, o Papa Francisco lembrou-nos de que nunca se sai igual de uma crise como aquela que estamos a viver e que é necessária a participação de toda a família humana para que possamos sair mais unidos desta tempestade longa e perigosa. Podemos sair dela “melhores ou piores”, mas não sairemos “iguais”, afirmou. De uma vez por todas, temos de ter “a coragem de mudar”. Mas só lá chegaremos, se recusarmos com veemência os venenos mais sedutores e tivermos a coragem de devolver a infância às crianças, olhando o mundo como elas.

Sugerir correcção