Rotura de conduta da EPAL inunda ruas de Vila Franca de Xira

Alberto Mesquita, presidente da autarquia, diz que foi preciso mobilizar muitos dos trabalhadores para limpar as ruas cobertas de lama e que, nalguns troços, vai mesmo ser necessário substituir os pavimentos danificados.

Foto
Twitter/@JtlMariano

Uma rotura de grande dimensão no Adutor Vila Franca de Xira-Telheiras da EPAL originou, na tarde desta quarta-feira, inundações de grande dimensão em várias ruas da cidade de Vila Franca de Xira.

As causas do acidente ainda estão a ser apuradas pela EPAL mas a situação gerou o alarme na zona da urbanização da Quinta da Grinja e na Rua António Lúcio Baptista, com a enxurrada que se gerou a atingir a Estrada Nacional 1 e a zona baixa da cidade.

De acordo com a câmara vila-franquense não é possível, nesta altura, quantificar os prejuízos, mas sabe-se que a água danificou passeios, pavimentos e alguns carros ali estacionados e entrou mesmo nos pisos térreos de alguns prédios. Alberto Mesquita, presidente da autarquia, diz que foi preciso mobilizar muitos dos trabalhadores para limpar as ruas cobertas de lama e que, nalguns troços, vai mesmo ser necessário substituir os pavimentos danificados. O autarca não tem conhecimento de danos que obriguem a realojar moradores.

O rebentamento da conduta de abastecimento de água deu-se pouco depois das 14h00 e a água espalhou-se por uma extensa área com um elevado grau de inclinação entre o sopé do Monte Gordo e Estrada Nacional 1 (junto ao quartel dos Bombeiros). 

Fonte da EPAL adiantou que a rotura poderá ter sido motivada por um corte repentino de energia na estação elevatória de Vila Franca. A empresa mobilizou rapidamente meios para o local, que cortaram a passagem da água e impediram danos de maior gravidade.

Em resposta ao PÚBLICO, o gabinete de comunicação da EPAL adianta que a empresa pública vai “accionar o seu seguro de responsabilidade civil” e que “os danos causados por esta ocorrência serão avaliados pela equipa de peritos”, tendo em vista o apuramento de eventuais indemnizações.

“Os trabalhos de reparação da conduta terão início ainda durante o dia de hoje e a EPAL envidará todos os esforços para a sua rápida conclusão”, acrescenta a empresa, garantindo que “o abastecimento de água já se encontra regularizado”.